domingo, maio 16, 2010

Limpeza - Por Marisa

Definitivamente, no inverno temos mais tempo pra internet, agora, na primavera, a gente fica muito ocupada com os compromissos, casa, jardim... Bem, não sei muito sobre o que escrever, mas acho que tenho mais uma dica na hora de escolher a família:

Limpeza! Sim, isso pode parecer banal, mas faz uma diferença pra muita gente. No meu caso,cresci numa casa limpa e gosto de limpeza (não de ser escrava dela). Tive muita sorte de ir pra uma casa também limpa (housekeeper toda segunda-feira) e eu era responsável pelo meu quarto e banheiro. Uma coisa muito positiva a respeito era que meu quarto estava sempre arrumado e limpo, não deixava de comer lá, mas levava o prato de volta pra cozinha e não tinha uma gaveta de guloseimas, então toda vez que alguém precisava entrar no meu quarto (desligar a força, ou trocar o saco do aspirador de pó central), além de não passar vergonha, eu era elogiada.

Minha host era/é bagunceira, e pelo meu schedule eu não precisava arrumar as camas, só a cozinha depois do café da manha, sem problemas.

Agora, já vi au pair morando numa casa imunda (muito suja), fedida e baguncada. Eu não gostava de entrar lá, esperava no carro mesmo.

Cuidado com os extremos, uma família com mania de limpeza/organização também é muito chato (pelo menos até você se adaptar), você fica pisando em ovos, não pode esquecer um copo na pia que já será motivo de cara feia, chamadas etc. Já fui babysitter de uma família assim, com 3 kids, fica difícil, parece que você nem relaxa, nem respira. Esqueci um daqueles copos que vai na lancheira na pia e a mulher veio chamar a minha atenção, tá, não fiz mais, e ela gostou do meu trabalho.

Atualmente, cuido de um baby de 9 meses e a mulher também é bem limpa, o baby engatinha e gorfa e baba, eu tenho que ficar com um pano atrás dele limpando, não tem problema porque é 1 só, agora imagine se fossem 3 kids pequenas?

Voltando na minha experiência como au pair, teve um dia que a minha kid de 3 teve um playdate com outra de 3, daí inventei que comemoraríamos o aniversário do cachorrinho de pelúcia, fizemos bolo, colocamos a mesa, pegamos a Barbie, o power ranger, o urso, sentamos na mesa do lado de fora, todo mundo com chapeuzinho de aniversario, enfim, minha host chega, eu aiiii to f… Ela pra mim: “Marisa, você é a melhor, casa pra limpar a gente vai ter pelo resto da vida, agora esse momento vai ficar marcado na vida dessas meninas”, foi lá e escreveu no bolo o nome do cachorrinho e comecou a tirar um monte de fotos.

Conclusão: nem 8, nem 80!

Um comentário :

  1. Marisa,

    Muito coerente o seu post. Deve ser mesmo complicado lidar com extremos.
    Beijos,

    ResponderExcluir