domingo, janeiro 06, 2013

ADD... ADHD... PQP... FDP... QUE?

E daí eu tinha aquela família perfeita, com tudo perfeito e de repente a host linda me avisa... So, the only thing is, our child has ADHD/ADD... But it's fine, nothing that you can't control... I guess...

E quando você chega (experiência real)... tinta do teto, sofá furado, TV riscada, irmãos debaixo da cama e o projeto de ser humano? Bom, provavelmente correndo por algum lugar da casa e gritando...

Bom... O que é o raio do ADHD?


ADHD - Attention Deficit Hyperactivity Disorder ou o famoso Déficit de atenção por hiperatividade. 

Isso mesmo amigos, além de não se concentrar direito, a criança é absurdamente hiperativa (muito mesmo!). E é o caso do meu menino de 4 anos (Alex). Quando eu cheguei ela me contou que eles tinham diagnosticado ele com ADHD pois ele não conseguia prestar atenção nas aulas direito, batia nos colegas de sala e ficava nervoso do nada e por nada sem contar que era um tal de "I hate you" pra todo mundo e o tempo inteiro. Eu, que não fazia a menor ideia do que fazer com ele, sentei pra ler e descobrir o que era a tal da coisa. E nada mais é do que uma pessoa que não consegue se concentrar ou praticar uma  atividade por muito tempo sem se incomodar ou dispersar para outra coisa, é impulsivo, fala excessivamente e tem problemas com atividades silenciosas (como ler). Eles se movem o tempo inteiro, sim, ants in my pants! E o tratamento? Drogas, muitas drogas e acompanhamento psicológico - o que me assustou profundamente porque gente, ele só tem 4 ANOS!

Enfim, depois de uns dias aqui em casa eu percebi que nada era tão complicado quanto ela achava que era (ou médico tinha dito ser). Sim, ele tem problemas com "fazer apenas uma coisa" e tem dias que ele fica maluco correndo dentro de casa como se tivesse bebido refrigerante extra doce, mas ao mesmo tempo, ele se diverte de uma forma absurda e com pouca coisa. A criatividade dessa criança me assusta, e a facilidade que ele tem em decorar coisas é fascinante. Eu consegui ensinar tabuada pra ele e a irmã (que tem 10 anos) vive enchendo ele de perguntas, ahahaha.
O que eu fiz? Bom, regras. MUITAS DELAS e uma dose extra de paciência de sentar e explicar o porque de tudo. De primeira ele não aceitava, e fazia a minha vida um pouco complicada, então eu comecei a diminuir a quantidade de coisas que estimulavam ele ou que ele gostava... Tirei a TV,  brinquedos, doces e com o tempo ele foi percebendo que a coisa pro lado dele era séria, que eu me importo com ele e que a vida é mais simples se ele aprender a respeitar simples regras, e adivinhem só: ELE PAROU DE TOMAR REMÉDIO! Claro que o acompanhamento psicológico continua (com menos frequência), mas disseram que ele teve uma melhora muito absurda! Então eu te pergunto: Será que isso é só da criança mesmo ou tem algo com os pais também? 

Wal pouco tempo atrás entrou em um rematch por causa disso e resolveu me ajudar dando um depoimento pro post que eu acho que responde essa pergunta direitinho...
"A minha experiência com crianças com ADHD se resume a menina de 11 anos que me fez entrar em rematch. Como alguns acompanharam a minha trajetória sabem que o problema dela não era o deficit de atenção e sim o deficit de atenção dos pais para com ela. O adhd leve, como o dela, não interfere na rotina de um modo geral (no caso dela interfere já que ela usa o ADHD como desculpa para não fazer as coisas). Ela tinha um pouco de dificuldade na escola, e também para assimilar informações quando não tomava nenhuma medicação. Do meu ponto de vista, essa dificuldade de aprendizado não era devido ao deficit de atenção e sim a falta de uma educação de berço. Os pais que deveriam explicar as coisas de um modo lógico não o faziam por falta de tempo, de vontade e de paciência  Tentaram colocar essa menina numa redoma de vidro cor-der-rosa por considerarem ela uma "drama queen". Como ninguém sentava com ela para para conversar como um ser humano, e sim, culpavam o ADHD, o caso foi se agravando e o que, supostamente, seria considerado hiperatividade nada mais é do que intolerância da menina que não quer aprender nada que não seja do interesse dela, porque os pais nunca a incentivaram a pensar por si própria.
O déficit de atenção somado a hiperatividade pode SIM e ser um grande problema, e pode SIM interferir gravemente na rotina da criança - e consequentemente na da Au Pair. O meu conselho seria: Se você está conversando com uma família que tem crianças com ADHD verifique o histórico DA FAMÍLIA  dos pais, porque as vezes o nível do ADHD não é um infortúnio da natureza e pode significar que a família tem serio desiquilíbrio emocional. PODE, mas não significa necessariamente. Crianças com adhd podem se tornar violentas e extremamente carentes, e podem vir a desenvolver outros distúrbios psicológicos se não forem acompanhadas por alguém que saiba o que está fazendo. Então pesquise, qualifique-se, e tenha certeza, ser Au Pair significa que você, por um ano, será mãe."

E não só ela, mas a Marysila resolveu me ajudar também:

"Eu já morei com o ADHD adulto e posso afirmar com absoluta certeza que a parte do "só querer aprender aquilo que o interessa" é dificilmente contornado por incentivo dos pais, professores, psicólogo. Ajuda muito, mas tem que ter muita paciência e perseverança. Esse meu amigo era um musicista excelente, um dos melhores que já vislumbrei até hoje. Tocava o que você colocasse na mão dele, mesmo que ele nunca tivesse visto o aparato. Sem falar na habilidade com números, Jesus, aquele homem fazia tudo que era cálculo, era fascinado por matemática e música. MAS ERA SÓ ISSO. Português ele era uma negação, só falava bem porque gostava de ler mas a grafia dele era horrível, escrevia muita coisa errada e lia mal em voz alta. Enfim, ele dizia que não tinha interesse nenhum por "nada dessas regras bobas". Ele tomava remédios (eram vários) e já era o próprio psicólogo. E quando o remédio acabou e ele esqueceu de pega mais na mão dele foi o inferno na minha casa, ele parecia aquele esquilo do "Sem floresta" depois de tomar guaraná." 

A minha dica é simples: SEJA FIRME e SEMPRE mantenha o que você disse. Dias atrás o Alex estava colocando a cabeça dentro do prato que tinha o café da manhã dele (pois é...), eu disse que se ele fizesse de novo ficaria sem tomar o café e adivinhem... sim, ele ficou com fome até a hora do almoço. A "punição" tem que ser explicada de forma simples e objetiva, lembre-se que ele NÃO VAI prestar atenção se você resolver rezar a missa do galo pra ele - Se você não sentar agora pra comer, não vai comer mais - Simples, curto e eficiente, ele tem uma situação e uma consequência... SEMPRE tenha uma consequência. Pode ser um dia sem TV (dependendo da idade da criança podem até ser mais dias), vídeo game, ipad, playdates, sobremesa, qualquer coisa que afete ele. "E se ele ficar violento e jogar as coisas?" Continue com sua ideia e NÃO MUDE POR NADA. Depois que eu falei que ele ia ficar sem o café da manhã ele subiu no quarto dele e jogou TUDO no chão.... além de ter ficado com fome, ainda arrumou o quarto inteiro sozinho.

"Ai Teka, ele tem só quatro anos, isso é maldade". Sabe, no começo eu cheguei até pensar que estava sendo dura demais, mas depois de ver a melhora dele eu deixei essa "dó" de lado. Ele precisa de atenção, carinho, paciência e LIMITES pra evitar de crescer um psicopata (sim, esse pode vir a ser uma das consequências de um ADHD "ignorado"). Lembrem-se de que essas crianças não tem a atenção devida dos pais, as vezes por falta de tempo, as vezes por falta de paciência (aqui em casa eu digo que é um pouco dos dois) então VOCÊ (isso mesmo, cara pálida) precisa ajudar esse mini ser humano, seja legal mas seja firme, eles não vão te odiar por isso, muito pelo contrário =) um dia vão te agradecer.









E pra terminar...
ADHD/ADD pra mim? Nada a ser temido, só uma "tag" besta (na maioria dos casos) que a sociedade coloca em crianças que necessitam de atenção, MUITA paciência e carinho.. e só isso, nada mais... 
"I love you Stephanie and I wish you could live here until you die". - Alex, my ADHD -


Até o próximo mês.

6 comentários :

  1. Nossa Teka, adorei o post! Sério, muito bom, eu não conhecia nada sobre esse ADHD/ADD.

    Parabéns pelo seu trabalho e pelo post!

    Beijo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sara. =)))
      bjins

      Excluir
  2. Muito bom mesmo!! :D
    E é a mais pura verdade... a menina que eu tomava conta já não era mais controlável assim, bem, até seria, se eu tivesse o suporte dos pais, mas né?! Por isso mesmo é que eu acabei num rematch!
    ADHD não é bicho de sete cabeças, e você que vem de fora consegue ver o problema e achar a solução muito mais facilmente do que os pais, que estão ali, mergulhados até o pescoço naquele probleminha hiperativo! Então, AuPairs, mostrem que instinto materno, intuição e sabedoria não tem idade nem país! hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Wal, o pais ajudam BASTANTE. AAHAH tem horas que eu acho que os daqui de casa tem medo de mim, ahahah.
      Obrigada!

      Excluir
  3. Stephanie... vc é das minhas! Sou super legal com crianças, brinco junto, faço tudo, dou doce e o caramba. MAS.... na hora de disciplinar... muitas regras, limites e tudo muito objetivo, até pq eu odeio dar sermão. E acho que todo o estresse vale a pena quando o resultado aparece e vc ouve uma frase dessas que o Alex disse pra vc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas tem que ser assim mesmo, se não for eles tomam conta de tudo! ahahahha.

      Excluir