quinta-feira, março 21, 2013

O sentimento de ser mãe


Olha, eu acredito que o sentimento de au pair é só um pouquinho inho do sentimento de ser mãe de verdade, ser au pair é ser “mãe” somente 4 horas por dia e já é uma tarefa difícil – eu costumo brincar que ser au pair é o melhor método contraceptivo que exite – fico imaginando então como é ser mãe 24 horas. (Então um beijo grande pra minha, que é mãe sem aspas 24 horas por dia há 25 anos, e mãe de 3)
Eu já tive todos os sentimentos possíveis, confesso que jogá-los pela janela era um deles, mas o sentimento de querer proteger, ou de querer tirar o mal estar deles com o dedo e passar pra gente quando eles estão doentes valem muito mais. Pra resumir em uma frase eu diria: As vezes me perguntava "por que eles não são meus" e as vezes agradecia "Ainda bem que não são meus".
Rola muita coisa de mãe mesmo e eu repetia muita coisa que minha mãe fazia/faz comigo. A que eu mais gostava é quando eles não fecham a porta do armário e eu espero eles subirem para o quarto (3 andares) e chamava pelo nome carinhosamente “Meninos, vocês podem vir aqui um minutinho?”, “O que você quer Lara?”, “Estou te chamando, então venha aqui por favor e pare de gritar pois não sou surda”, “Ok Lara chegamos, o que você quer?”, “A porta estava aberta quando você chegou? Não, então feche” – E isso pode se repetir para mochila jogada no meio da cozinha, roupa espalhada pela sala.
Meu coração se derretia todinho quando eles se aproximavam para chorar/se proteger no meu colo, ou quando pediam para eu contar uma história, ou até mesmo quando eles querem me dar a mão.... Uma vez combinamos de  ver um jogo do Ajax eu, o pai, o mais velho e um amiguinho, mas deu treta com os ingressos e faltou um e claro que a primeira a ser excluída foi a au pair, mas no da seguinte o mais velho disse na mesa do jantar que ele preferiria ir comigo do que com o amigo. E o coraçãozinho frágil da gente, como fica?! Feito manteiga no microondas.
Eu posso dizer tranquilamente que apesar de as vezes que quis jogá-los da janela eu os amo muuuuuito, e acredito que isso não seja nem 1/5 de amor de mãe de verdade. Eu sinto saudade de todo o meu ano como au pair, mas a saudade que sinto dos meus meninos (que na verdade não são mais só meus, já são da nova au pair que é inclusive minha amiga) não se compara a nada. Tudo que vejo na rua tenho vontade de comprar pra eles, toda vez quando escuto uma criança contar história lembro dos casos e das historias mirabolantes deles. Vivo mostrando as fotos e contando as peripécias para os outros, e eles estão em quase 100% de fotos do meu mural. E eu não vejo a hora de poder vê-los novamente. É engraçado trocar um trabalho com dois meninos que a soma das idades é 14 anos por um bando de marmanjo e documentos.
E tem mais, eu pouco tinha experiência com crianças antes de ir e o que eu mais repito é: Eu não sei cuidar de criança (quando um caiu de boca na escada, o outro caiu da janela de cabeça no chão ou quando um foi quase atropelado eu fiquei mais branca e aflita do que eles) mas sei fingir que sou uma. E se você é assim, acredito que já tenha 95% do necessário para ser au pair.
Meninas que já foram, eu entendo a saudade de vocês. Meninas que estão no ano de au pair, paciência e não os jogue da janela quando der vontade. Meninas que ainda vão, se preparem porque vocês vão descobrir o amor mais puro que existe.
Esse foi mais um post da 21 (o último redigido com 21 anos) que fica com o coração apertado tipo rosbife amarrado toda vez que escreve sobre seu Ano Laranja. 

3 comentários:

  1. Esse assunto que você tratou aqui no blog realmente é para se pensar, refletir bastante.... eu me identifiquei com algumas partes.... sempre que saio na rua me pego com vontade de levar algo para as minhas kids, eu nao me vejo como uma mae para eles, mas como uma irma mais velha... apesar dos altos e baixos tem momentos que sao inesqueciveis, eu me derreto toda quando eles falam que me amam, quando ganho beijos e abraços, a minha kid mais nova me deu o primeiro pedaço de bolo do niver dela na frente de todos os convidados.... e o meu kid do meio me deu uma rosa no dia dos namorados em um evento da igreja acompanhado de um "I love you", tudo isso é muito gratificante!!!! adorei o post!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom né? Tudo isso.... Principalmente ver demonstração de afeto espontânea, e melhor ainda, sem maldade..... :)

      Excluir