sábado, novembro 30, 2013

The Time of My Life





Hello there! Meu nome é Lara, vou fazer 23 anos em duas semanas, sou a nova colaboradora do blog e ex-au pair-futura-nanny em DC. Dos meus textos vocês podem esperar um olhar bem otimista e também realista sobre o mundo auperiano. Sou daquelas que ama as kids e se considera parte da família, mas também já teve vontade de jogar tudo pro alto e sabe que o intercâmbio está longe de ser o mundo cor de rosa que as agências nos vendem (e também que pode ser muito melhor que o que elas vendem). O meu match foi bem unusual, meus 18 meses mais ainda, e vou fazer um breve resumo de tudo aqui. 

A história do meu match é o tipo de história que eu não gosto de contar porque parece mentira e todo mundo me odeia. Eu queria poder dizer que fiquei onze meses e treze dias online, que falei com cinquenta e sete famílias, que fiz inúmeros skypes ou que tive um visto negado, só pra dramatizar um pouco. Mas foi actually painless, vou contar anyway e tentarei ser breve.

Era março de 2011 e eu tinha planos de escolher uma agência em julho. Eu me inscrevi no GAP dia 26, um sábado, pra começar a conversar com famílias porque tinham me dito que era bom “ensaiar” um pouco. Na mesma noite, favoritei trinta famílias. Vinte e nove me responderam que eu não era um good match pra eles e me desejaram boa sorte. UMA falou que talvez eu poderia me dar bem com eles. Me mandaram uma mensagem no GAP com o email deles e eu já mandei outro maior que o antigo testamento me apresentando. Isso dia 27. Dia 28 a host me respondeu dizendo que adorou meu entusiamo e meu inglês. Conversamos mais um pouco, dia 30 marcamos ligação (sim, telefone, não skype, sou old school), não trocamos email nos dias 31 e 1 e dia 2 ela me ligou e falamos por mais de uma hora. A ligação foi no sábado, uma semana depois de eu ter me inscrito no GAP, e fizemos o match na segunda, dia 4 de abril. Pequeno detalhe: eu não tinha agência e eles me queriam pra maio.

Disclaimer: eu não sou a louca que correu o risco de fazer match com uma família perigo. Mas eu tive a sorte, cagada, ou o que quer que você queira chamar, de descobrir que a família que me adorou era a família da au pair cujo blog eu AMAVA e que só falava bem dos hosts. A host me mandou o email dela no primeiro contato e só pelo nomesobrenome no email eu descobri que a família era a do blog. Como eu sabia que eram uma família de verdade e que não eram muito loucos (for au pair stardards, anyway), e depois de ter certeza que a menina não falava bem deles à toa, resolvi me jogar. 

Um mês e meio depois eu estava em DC. Durante meus 18 meses eu visitei 11 cidades em todos os cantos do país (Nova York, Orlando, Los Angeles, São Francisco, Williamsburg, Charlottesville e Jamestown na Virgínia, Denver, Boulder e Erie no Colorado, e Saint Petersburg, na Flórida, durante o treinamento. Isso sem contar as cidades que você pode conhecer dando um rolê pelo metrô de DC, como Rockville e Bethesda em Maryland, Fairfax, Falls Church e Arlington na Virgínia, além de Silver Spring, que era onde eu morava, e  alguma outra cidade que eu provavelmente esqueci), fiz um curso na New York Film Academy, tive um unlimited summer pass pro Six Flags de Maryland, fiz trick or treat com as kids dois anos consecutivos, fui em uma ghost tour, fiz aula de boxe, escolhi minha abóbora numa plantação de abóboras, fiz três amizades pra vida toda (uma delas com uma alemã que hoje está morando convenientemente em Berlin) e – não tenho vergonha de dizer – ganhei uma família americana.

Cuidei de uma baby que tinha 13 meses quando cheguei e um boy que tinha 3 anos (“and a half, Lara!”). Eles não eram perfeitos – o menino era ou irritantemente obediente ou tirava o dia pra me deixar louca e a baby era super sassy e não ouvia ninguém... I mean, que não fosse a au pair que vos fala. O menino já fugiu de casa enquanto estava comigo durante um playdate (contarei com detalhes no futuro) e a baby decidiu marcar território pintando a parede da sala, a porta do basement e os armários da cozinha com uma sharpie preta. Mas ela também se agarrava na minha perna quando a mãe chegava em casa pra ficar mais comigo e o menino me desenhava como a amiga pirata dele pra depois me perguntar como se escrevia “I love you”. 

Pra mim, ser au pair é um trabalho como qualquer outro e você tem que aprender tanto a engolir sapo quanto a não se deixar ser explorada. Aprendi a dizer “não”, aprendi a lidar melhor com as pessoas, aprendi que cada pessoa tem um jeito diferente de demonstrar que gosta de você, aprendi a ser mais flexível e ter mais paciência e que se eu posso chegar em Nova York e me localizar sozinha, posso me localizar em qualquer lugar do mundo. Valeu MUITO a pena e se eu pudesse voltar no tempo, viveria tudo de novo.

Nos próximos meses eu pretendo contar tudo sobre minhas famílias americanas (no plural mesmo), minhas viagens e férias, minhas dicas de como eu domei as feras (hosts e kids), as emergências que passei com as kids, as muitas besteiras que fiz e histórias aleatórias sobre o meu tempo como au pair, assim como minha saga atual pra voltar como estudante. Pra quem ainda não foi, eu espero ter te animado ainda mais e pra quem está aí, aproveite muito porque passa mais rápido do que você imagina!

E até o próximo dia 30!

16 comentários :

  1. oi, lara! adorei o post e a historia do match hehe eu nunca tinha visto nada parecido. só fiquei com uma duvida: voce foi com o agencia, no fim das contas? pq tu citou o treinamento, e quem vai sem agencia, nao tem treinamento. certo?

    enfim, aguardarei ansiosa os próximos posts dos dias 30, pq pelo visto, vem historia por aí!

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Duda! Brigadaa :D
      Eu fui com agência sim, entrei na que a família já tava, a Expert Au Pair. Nunca tentei outra agência pra comparar, mas recomendo muito a Expert! Sem agência não tem treinamento mesmo não, e o da Expert acho que é o único que não é em NYC ou NJ, é na Flórida, perto de Orlando :)

      Beijoo

      Excluir
  2. Post muito bom!!!! Quanta experiência vc parece ter! Vou aguardar até dia 30 para ler mais! bjss

    ResponderExcluir
  3. Resolvi comentar só pra dizer que gostei do seu post e da sua história =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadão Manu! Espero que continue gostando! :D

      Excluir
  4. Adorei a historia!! Como foi o curso na New York Film Academy? queria muito fazer um curso lá..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadaa! O curso foi muito bom! Os professores lá são muito legais, a turma mais ainda (um bando de americanos e eu) e foi só um dia de teoria e o resto tudo prática, de sair na rua com câmera e tudo pra gravar filme e essas coisas. Foi bem legal, faria muitos outros!

      Excluir
  5. Gostei muito do seu post! :)

    ResponderExcluir
  6. Larissa3/12/13

    Que bacana Lara!

    Espero que minha experiência como au pair seja tão legal quanto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai ser sim, Larissa! :D
      Beijão

      Excluir
  7. Oi Lara!! Estou na fase online.. me cadastrei no GAP e no Au Pair World.
    Favoritei algumas familias no APW.. vou esperar contato. Mas no GAP. a maioria não consigo porque eles exigem que a pessoa seja de lá. Tem como reverter isso?
    E outra, quando eu curto uma família.. a chance dela vir pra minha agência é muito pouca? Eles se ofendem..haha como é?

    Parabéns pelo texto :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thais, brigada! :D
      Então, eu também tinha esse problema e geralmente essas famílias querem americanas ou meninas que já morem por lá. Não sei se tem muito o que fazer a não ser colocar que você mora em tal area. E geralmente quem não quer entrar em agência deixa isso bem claro no perfil. Minha dica seria colocar sua agência já no perfil e falar que você não vai sem agência, porque aí so te contata/responde quem for da sua agência ou estiver disposto a entrar.
      Beijoo

      Excluir
  8. Amei o seu post, me deixou mais animada com essa nova aventura. Parabéns :)

    ResponderExcluir
  9. Adorei. Ansiosa para ler o próximo post :)

    ResponderExcluir