segunda-feira, janeiro 06, 2014

Insurance, quando o barato sai caro!

Eu sou meio desmemoriada. Já peço desculpas de antemão.

Esqueço o preço das coisas que paguei, das informações, dos detalhes. Esqueci tudo que você, que está pesquisando, quer saber. Mas, hoje vou lhe dar uma dica que vai te fazer pensar, e espero que não cometa o mesmo erro que eu.

Como quis dizer, eu não me lembro mais do processo inicial, de quanto paguei na inscrição, quais as etapas do processo, e tudo mais. Mas, uma coisa é certa, e em algum momento passará por isso: escolha e pagamento do INSURANCE (convênio médico): básico ou completo?



No meu ano de au pair na Holanda, eu tinha o convênio médico, padrão e único que o programa oferecia. Confesso que nunca soube exatamente como funcionava, afinal, eu nunca espero ficar doente (quem espera, afinal?), mas, de toda forma... quando eu fico doente, só vou ao médico se estou morrendo (quase que literalmente!)

Fiquei doente algumas vezes, e segui o sábio conselho da família holandesa: ficar de CAMA. Uma aspirina, um paracetamol, tylenol, seja lá o que você escolher, e cama. Sim! Por causa de uma gripe boba. Esse era o conselho dos meus hosts. E as poucas vezes que isso aconteceu, eles me aliviaram ao máximo para que eu pudesse simplesmente descansar (importante manter o corpo bem aquecido, de preferência a temperatura na casa toda quentinha). Bobagem. Ridículo? Confesso que eu gostava do "mimo", e descansar sempre ajudou a eu ficava boa logo. Ironia? Coincidência? Será que não existe um pouquinho de sabedoria no conselho?

Mas, houve um episódio que não entrarei em muitos detalhes, que me fez querer ir no médico tipo AGORA, POR FAVOR, pelo-amor-de-deuso!!! Eu comecei a ter um piri-paque, me senti muito mal, corpo trêmulo, sem equílibrio, muita fraqueza... sintomas que nunca senti anteriormente, e um desespero sem fim. Assim, de um instante ao outro. Liguei para os hosts, eu queria ir no médico no mesmo instante. Não sabia o que estava acontecendo. Estaria eu morrendo? Ahaha... imaginei que estava tento uma primeria crise de labirintite (minha mãe tem, e espero não herdar). Encurtando a longa história: o médico disse simplesmente não saber o que eu tinha, pediu para esperar uns dias, e se não melhorasse para eu voltar.

Oi?


...



Sim.

Foi isso que ela disse. Tire você suas conclusões sobre a medicina exercida por aí.

Amigos, a gente reclama da Saúde no Brasil... mas, eu já escutei cada história cabeluda sobre consultas, atendimentos e sufocos fora que você nem acreditaria.

Voltando os xis da questão. Quando eu fechei meu programa de au pair nos Estados Unidos eu tinha a opção de dar um updgrade no plano de saúde básico. O básico estava incluso. O completo viria depois da bagatela de algum dinheiro que não lembro quanto era (acho que uns 400 reais na época). Era um dinheiro que se eu espremesse a minha conta bancária eu teria. Um dinheiro que, hoje, eu pagaria o triplo, só por causa de tudo que eu passei. Um dinheiro que óbvio: eu quis economizar... e disse "...que absurdo! Não tenho como pagar isso agora. Dá pra optar? Vou com o plano básico mesmo, afinal... eu não vou ao médico. Eu não vou precisar ir ao médico". (Naquele instante, eu fui amaldiçoada)

Antes que você abandone a leitura, vou me apressar mas contar o meu drama: eu sofri com um problema na coluna nunca diagnosticado, por meses, cheguei a não conseguir andar, a dormir no chão duro por semanas (tentar dormir... e passar noites em claro), ir a emergências, a consultas, fazer tratamento (caríssimo) com quiroprata, fazer alguns raio-x, tomar um milhão de remédios, pensar em voltar pro Brasil no primeiro vôo. 

Gente, eu sofri! E tudo começou experimentando uma calça no shopping, cair no chão e não conseguir levantar, ou andar, ou respirar sem dor. (Pare e pense na cena: eu até deixo dar risada! Eu rolei no chão da Foverer 21 feito uma barata prestes a morrer com inseticida. Patético! Ahahha!)

O primeiro médico diagnosticou um "slipped disc", como se um ossinho da minha coluna simplesmente tivesse saido do lugar. Eu sofri, confesso que desejei morrer (!!!), dor crônica, aguda... com médicos me mandando pra casa com um analgésico, um relaxante muscular e dizendo "vai melhorar com o tempo". Eu fiquei torta. Literalmente torta.

Esse tempo durou MESES. Quase um ano todo. E o saldo? 

Centenas de dólares gastos com remédios, consultas, raio-x. 
Pasmem e tenham uma idéia: 1 raio-x custou um pouco mais de 900 dólares (você ainda vai reclamar da saúde no Brasil? Vai dizer que é um absurdo de cara ou inacessível?)

O convênio básico paga apenas porcentagem dos exames, consultas e tratamentos. Temos que pagar com certa parte.

Teve dias que eu atravessei o inferno da dor. E noites que eu chorei quando recebia o boleto e a conta das consultas. 
Eu não desisti. Pensei em voltar pro Brasil e usufruir do nosso sistema de saúde precário. Sabia que alguém descobriria o que eu tinha e eu não precisaria vender um rim para pagar uma ressonância magnética (que foi o que me sugeriram para "tentar" descobrir o que eu tive).
Mas, eu não voltei... porque tinha um obejtivo grande em estar aqui. (qualquer dia eu conto sobre meu objetivo realizado,e sobre coisas felizes)


Ahh! E eu não pude mudar do básico para o completo depois, a alteração só podia ser feita em um momento: quando eu assinasse a extensão. Nem antes nem depois, e pro meu caso, não adiantou nada!

Eu  melhorei. 
E aprendi a lição e entendi o sábio ditado: "Às vezes, o barato sai caro".
Comprem o convênio completo, pois, você nunca sabe quando vai ficar doente, ou se machucar... tratamento médico nos Estados Unidos é caríssimo, e você corre a chance de ouvir do médico "Tenha paciência, espera que passa."

Punk!

Boa sorte, e compre o insurance completo!

=]

Beijos,
Karen Rito 

5 comentários :

  1. Simplesmente o post que eu estava esperando para me decidir!!! muito obrigada! eu estava com essa dúvida na cabeça,e antes de pegar os preços do programa nas agências,peguei logo os preços dos seguros..hehehe doida! Mas meu boyfriend fala que realmente é muito caro e que até ele como americano, as vezes não quer pagar de tão absurdo! Valeu mesmo pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que ajudei!
      Pague o seguro completo sem dó! :)
      Aliás, ontem mesmo recebi outra conta do convênio...
      Meu Deeeeus, não vai acabar mais? Ahahaha

      Boa sorte, Rayane!
      :)

      Excluir
  2. Adorei o post. Eu também estava em dúvida. Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que ajudei Roberta!
      Nada de dúvidas, compre o seguro completo sem nem hesitar!
      :)
      Boa sorte!

      Excluir
  3. Moema Taynara14/10/14

    Oi Karen, tudo bem? Espero que sim! O seu seguro era da APIA??? Gostaria de saber se você tem certeza que o upgrade cobriria todas essas despesas (radiografia, remédios, consultas, ressonância, etc...)? Tenho tanto medo dessa saúde norte americana que mesmo com o upgrade tenho medo de passar perrengues!! Beijos e até mais.

    ResponderExcluir