quinta-feira, maio 01, 2014

Cuidando de Newborn/Kids Under 2

É muito comum as pessoas terem receio em relação a cuidar de bebês. E eu passei pela mesma coisa. Tinha medo da responsabilidade de cuidar de um bebê, por toda fragilidade e atenção que é necessária. Mas hoje, depois de ter cuidado de um bebê que tinha 1 mês quando cheguei na minha host family e de uma menina de 5 anos, acho que cuidar do bebê foi muito mais tranquilo. Isso é uma coisa que varia muito de acordo com a experiência e da personalidade da(o) Au Pair, e que não posso generalizar, afinal cada experiência varia pra cada pessoa, mas resolvi escrever hoje sobre os pontos positivos em cuidar de um baby. Lembrando que: não estou tentando dizer aqui que cuidar de bebê é melhor que cuidar de criança, só estou dando minha opinião através da experiência que tive.
Antes de ficar online, recebi uma ligação da minha agência (APC) perguntando se eu gostaria de participar do treinamento Infant Specialized, que é pra cuidar de crianças menores de 2 anos. Muitos dizem que esse treinamento é obrigatório pra quem vai cuidar de under 2, outros dizem que é opcional. Eu aceitei participar do treinamento porque quando fiquei online eu tinha 18 anos e não tinha muita experiência dirigindo, então minha orientadora da agência no Brasil disse que seria uma boa se eu encontrasse uma família com bebê, assim a chance de precisar dirigir seria menor. Quando tive o match com a minha Host Family, eu os avisei que apesar de ter 300 horas com crianças Under 2, eu nunca havia cuidado sozinha de um bebê, porque minha experiência era em uma creche, com outras professoras junto, e eu só as ajudava. Eu mal sabia trocar uma fralda! Mesmo assim eles quiseram ter o match comigo, porque achavam que a minha experiência com crianças mais velhas (cerca de 1000 horas) era mais importante do que com bebês, porque pra eles o mais importante era que eu soubesse lidar com a menina mais velha, de 5 anos, do que com o baby. Eu embarquei super insegura por causa do bebê, que ia ter só 1 mês quando eu chegasse na família. O treinamento do Infant Specialized me ajudou bastante, me deixou mais segura, mas nenhuma experiência é tão significativa quando aquela que a gente adquiri no dia-a-dia. 
Nós só podemos ficar sozinhos com os bebês depois que eles completam 3 meses de vida, independente da nossa experiência, essa é uma regra do programa; então, minha host mom tinha que ficar em casa no começo e me ajudava bastante com o baby. Em 3 dias cuidando dele eu já me senti super segura e nem precisava de ajuda da minha host mais. Eu me apeguei muito a ele, e ele a mim. Minha rotina era basicamente ajudar as duas kids a se arrumarem de manhã, dar café da manhã, levar a mais velha na escola, e depois voltava pra casa e passava o resto do dia cuidando do baby. É um trabalho que exige muita atenção. Quando o bebê é muito pequeno, ele praticamente dorme e come, o meu tirava mais 4 naps por dia, então eu tinha tempo de ajudar com as coisas da casa sem ter pressa, e sempre sobrava um tempinho pra eu poder organizar minhas coisas e até estudar. 
Minha rotina era bem simples: de manhã eu começava a trabalhar as 6:45am, enquanto as duas crianças ainda estavam dormindo, eu preparava o café da manhã da kid e a mamadeira do bebê, quando era umas 7:00am eu acordava a menina, levava ela até a cozinha, e enquanto ela comia eu arrumava as coisas na cozinha (guardava a louça limpa que estava na dishwasher e colocava a louça suja depois). Depois que a menina comia, eu levava ela para o quarto para se trocar, escolhia a roupa dela, deixava tudo pronto e normalmente o baby acordava quando ouvia que a gente estava no quarto. Eu deixava a menina se trocando e ia dar mamadeira para o bebê e trocava a fralda dele. Depois colocava os dois no carro pra levar a menina pra escola, e depois voltava pra casa (detalhe: uma coisa importante de bebê é que eles estão sempre no carsit, que é aquele negocio onde o bebê vai no carro, e no caso do meu também encaixava no stroller (carrinho de bebê), era fácil por ser uma coisa só, então tirava do carro e ja encaixava no carrinho, mas era bem pesado). Quando eu voltava pra casa com o baby, eu brincava um pouco com ele, por volta das 9/9:30am ele tirava a primeira nap, e eu aproveitava pra arrumar o quarto das crianças, e fazia a laudry 2 vezes por semana. Eu sempre usava o tempo da nap pra arrumar o que precisava e quando terminava tudo arrumava minhas coisas (porque minha host me liberou pra isso). Quando o baby acordava eu dava mamadeira, ou a comida (ele começou a comer comida com 8 meses, antes disso só a mamadeira de formula), depois do almoço brincava com ele, e quando o tempo estava bom eu levava ele pra dar uma volta na neighborhood ou para algum parque, e ele sempre acabava dormindo. Ai voltava pra casa pra esperar minha host chegar e ficar off. E normalmente o baby dormia até ela chegar.
Apesar da minha rotina ser praticamente a mesma durante o ano inteiro, conforme o bebê foi crescendo o trabalho foi “aumentando”. Do 1 até os 4 meses o bebê praticamente só come e dorme. A coisa mais difícil é a fragilidade, o bebê é extremamente frágil e a gente tem que tratar com bastante delicadeza. Dos 4 aos 8 meses é quando o bebê começa a brincar, sentar, comer e engatinhar. É uma fase que a gente precisa ter atenção, mas é tranquila, porque o bebê ainda dorme muito, só começa a complicar mais quando começam a engatinhar. E depois dos 8 meses eles começam a descobrir tudo, as escadas, a andar, muitos já comem praticamente tudo e já estão começando a tentar falar. Mas ainda sim, é um trabalho tranquilo. Eles requerem muita atenção, não podemos desgrudar o olho, e eles já são mais capazes de interagir e brincar. Pra mim a melhor parte de cuidar de bebê foi poder fazer parte de todo o desenvolvimento dele, cada passo, cada descoberta, pra mim era como se fosse uma conquista minha também. E a melhor coisa: bebês não fazem malcriação! Eles choram sim, e bastante, mas não xingam, não batem e não fazem escândalos. É muito mais fácil controlar um bebê nesse sentido.
Sou apaixonada pelo bebê que eu cuidei e morro de saudades dele, porque me apeguei muito a ele. O apego é inevitável, é impossível a gente passar tanto tempo com essas crianças, participar de tantas conquistas deles sem criarmos um laço forte. E pra mim, depois da experiência que tive no meu ano de Au Pair, preferiria cuidar de 3 bebês do que uma criança mal criada e pentelha. Mas como eu disse, isso varia pra cada pessoa. Mas não tenham medo de cuidar de babies, eles são adoráveis, e mesmo quando você estiver cansada, estressada e querendo voltar pra casa, eles tem o poder te te olhar e abrir um sorriso banguela que cura qualquer coisa. Beijinhos

3 comentários :

  1. Anônimo1/5/14

    Amei o post!Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Oi Stephenie, eu concordo com você. Já cuidei de bebês e crianças e prefiro mil vezes cuidar de bebês. Adorei sua rotina. Eu adoro o fato deles tirarem mil naps por dia, rs. Adorei o post! *-* Beijos <3

    ResponderExcluir
  3. Oi Stephenie, gostei muito do seu post!!! Estou no processo de entrevistas com as host families e surgiu uma família que a mãe esta grávida, e gostei muito deles mas meu medo é o bebê pois não tenho experiencia. Mas conversando com a mãe ela falou que vai me ensinar. Eu quero saber se a família te chamava durante a noite para ajudar com o bebê? E se você tem alguma outra dica?!?!! Beijos,

    ResponderExcluir