segunda-feira, agosto 18, 2014

Não (entre outras coisas)

Você deve estar se perguntando porquê esse título. Tá, vou explicar.


Nós, brasileiros não temos o hábito de dizer não, cru, sem emoção e sem motivo. Sempre falamos: "Assim, prefiro que não", "Olha não tô querendo não", "Acho que não dá hoje não…", etc. tentando ser sutis ao falar "não" ou, pelo menos, educados. Mas isso não ocorre 

Aqui "No means no" e não se fala mais nisso.

Outro dia estava viajando e, não sei se é assim em todas as highways, mas nas que passei no Estado de New York, existem pontos de apoio pra viajantes. São mini (eu disse mini!!!) malls com restaurantes fast-food, pequenos mercados, "camelôs" e banheiros. Já parei em Alguns e todos foram iguais.

Desta vez estava viajando com um casal de amigos e tínhamos parado para almoçar. Quando terminamos, eles decidiram entrar na (gigante) fila do starbucks para batalhar por um café. Eu tava só aguardando, daí eles fizeram o pedido e, enquanto aguardavam, vieram me contar um desses "não" escalafobéticos que os americanos disparam com toda secura do mundo: um senhor no auge dos seus 47-55 tinha dito um "não" grosso e seco pra atendente.

Gente, em starbucks movimentado, os atendentes sempre perguntam "vc poderia me dar um nome para responder ao pedido?". Não é necessário dar CPF, RG ou SSN. Apenas um nome. Pode ser fake ou não. Your choice. E o cara disse não. Custava?

A Língua Portuguesa é uma sortuda em muitos quesitos: não interessa muito o que falamos, mas como e quais palavras usamos. Diferente do Inglês que eles tem trezentos sinônimos, mas não tantas palavras como o nosso riquíssimo idioma.

As vezes a comunicação com a host family parece meio "de índio", mas é por conta da própria limitação do idioma, além, claro do nosso processo doloroso de aprendizado que é na marra mesmo e não tem jeito.

Um dica: não perca a sutileza de dizer as palavras com o carinho que a gente fala em português. Esse é o legal de ter sotaque: todo mundo já sabe que você é de fora, então se aproveite dessa condição e seja doce, mesmo na hora de dizer não.

Vamos combinar, né, gente? Esse sr. passou por um triz de encontrar a pobre da atendente em dia de TPM. haha!

Bruto!


6 comentários:

  1. O povo amricano pod sr mto ducado m publico! Mas para se relacionar ocm o proximo, ls pcam dmais! Sao ruds, mal educados, sem sentimentos, secos! Salvo raras excessoes! Mas como para eles, isso eh normal desde pequenos... A falta de educacao acaba se tornando "cultural"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem é educado aqui é bastante educado. Mas a mesma pessoa que pode ser assim, tão educada, tem dessas atitudes que ninguém explica.
      #QuestãoCultural

      Excluir
  2. Nossa, discordo completamente. Sei que os americanos tem um jeito mais objetivo de falar o que querem, mas nunca vi ninguém sendo grosso, nem mal educado. Ao contrário do Brasil, que as pessoas passam na rua e não dão bom dia, não seguram a porta do elevador, e são extremamente falsas e enroladas com o jeitinho brasileiro hahaha. Mas essa é a minha experiêcia, sei la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa.
      Não generalizei, apenas comparei as situações. A cultura da cortesia aqui é bastante vasta (segurar porta, segurar porta do elevador, dar passagem ao pedestre, etc.).
      Os Americanos costumam ser mais diretos que Brasileiros quando estão falando, pedindo e até mesmo aconselhando.
      Como disse, minha opinião é que nossa língua é mais rica. E nada mais.

      #SucessoPraNós

      Excluir
  3. Eu também discordo hahaha, pelo menos do pouco que vi. Claro que "no means no" diferente do nosso, mas sempre encontrei pessoas dizendo isso de forma educada. Já na Holanda... o "no" era sempre "no, i don't want it". Enquanto nós brasileiros enrolamos e amenizamos o nosso não, como você falou.
    Na Holanda, sim e não, não tem motivo... eles só existem. Eles são diretos (em exagero) e acabam sendo rudes conosco, sem ser pessoal... é estranho, no começo eu sofri um pouco, até relevar esse tipo de comportamento... hehehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nadja,
      Acredito que o que mais pelejei aqui foi pra compreender a diferença (sutil) entre uma ordem e um pedido.
      Mas como disse, aqui a mesma pessoa que é bastante educada na maioria das situações, no quesito "no means no" ela chega a ser desnecessariamente grossa.

      #Opiniões

      #SucessoPraNós

      Excluir