sexta-feira, novembro 25, 2016

O quão difícil é aprender alemão (ou outro idioma)?


 
“Tu foi Au Pair, né?”, ouvi essa pergunta esses dias de uma pessoa que estava pensando em participar deste tipo de intercâmbio. Respondi que sim. Os olhinhos dela brilharam e pude ver que ela queria saber de tudo, mas não sabia o que me perguntar.

“E, foi bom?”, foi a segunda pergunta dela. Respondi que sim, que tive sorte com a família e que me esforcei para que desse certo. Que aprendi muita coisa sobre mim e sobre os outros, que vivenciei momentos bons assim como ruins.

Depois dessa resposta ela pensou por dois segundos e quis saber da Alemanha. E então surgiu a questão do idioma! “Foi difícil aprender alemão?”, a terceira pergunta que ela me fez. Eu ainda aprendo alemão!, eu respondi. Ela riu de mim! Mas é verdade! Eu ainda português. E a palavra de hoje foi “beneplácito” (s.m., expressa consentimento).

Ao embarcar para a Alemanha eu tinha estudado dois anos de alemão, em curso regular, e achava que sabia alguma coisa. Lembro que certo dia, no primeiro mês já na casa de minha família postiça, estávamos tomando café da tarde, a mãe, as três crianças e eu. Eles conversavam sobre o dia que tinha passado, o que fariam no dia seguinte, e eu não estava entendendo nada!!! Desesperei e caí no choro! Todos pararam de falar e me olharam; a mãe postiça levantou, veio até mim, me perguntou o que houve e me abraçou (alemães também amam, gente). Ao retornar ao lugar dela, ela disse calmamente aos filhos “Vamos falar mais devagar para que a Melina entenda, sim?”

Fiz um curso intensivo numa cidade próxima e depois disso melhorei bastante para entendê-los. Esse curso era no período da manhã, enquanto os meninos estavam na escola. Eu saía com eles, mas voltava depois. A mãe esperava eu chegar à tarde e, então, ela ia para o serviço.

Conforme o tempo foi passando e eu fui ficando mais à vontade com o idioma e com a família, eu descobri a biblioteca que eles tinham na sala. E certa manhã eu escolhi um livro, em alemão, para ler. Peguei  Harry Potter, pois pensei  que seria mais fácil por eu já conhecer a historia. Fato é que por eu já conhecer a história se tornou CHATO, pois meu cérebro não precisava pensar em nada, a história que eu já conhecia estava toda lá, mas em outro idioma. Resolvi trocar de livro. Depois de começar uns 3, encontrei um que me agradou e quando a mãe postiça chegou meio-dia, eu vibrei com ela “Peguei esse livro da sala e já li 40 páginas!!”. Ela me disse que aquele era o quarto livro de uma série!! E me indicou o primeiro, já avisando que ela não tinha a coleção completa. Resultado: Eu li a série toda \o/


Além disso, recebíamos o jornal em casa e eu o lia de manhã quando me sobrava tempo. Sempre que eu tinha alguma dúvida quanto a palavras, gramática ou qualquer coisa, que o dicionário não conseguia me resolver, eu perguntava para alguém da família.

Outro exercício que fiz algumas vezes: o pai postiço me contava histórias em inglês e eu tinha que recontar pra ele em alemão. Mas a situação era a seguinte: Ele me falava frases bem construídas com conectores, e eu traduzia resumindo e simplificando. No início achei que eu era muito ruim. Mas uma vez ele me disse que tava ótimo, pois a idéia era eu transmitir a mensagem pra ele e isso eu estava conseguindo.

Em algum momento eu mudei o idioma do meu facebook para alemão. No momento, ele está em espanhol.

Ao terminar de contar isso, essa pessoa que iniciou a conversa toda me disse que queria aprender francês mas tinha medo de errar muito. Contei pra ela que uma vez eu estava conversando com um cara e disse pra ele que eu estava sentada em cima de uma agência bancária, quando eu queria dizer que estava simplesmente sentada num banco. Ela caiu na gargalhada! Eu apontei pra ela rindo e disse que é exatamente isso que vai acontecer se ela errar. Ela vai rir, a outra pessoa vai rir também, mas também vai aprender e nunca mais esquecer.

A dificuldade depende do muro que tu constrói.

Bom dezembro pessoas o//

E, se possível, sugiram temas. O que vocês gostariam de ler por aqui?

0 comentários :

Postar um comentário