sábado, abril 15, 2017

De volta à Holanda como summer aupair

Oi gente, tudo jóia? Bora abrir os trabalhos de hoje? 

Então, quem leu o meu post do mês passado sabe que eu fui aupair na República Tcheca mas fugi de casa um mês depois. Como eu tinha um visto de turista que durava só três meses e não queria ficar ilegal, procurei uma família que precisasse de summer aupair só por dois meses para completar o tempo do meu visto antes de eu voltar para o Brasil. Escolhi a Holanda porque já tinha sido aupair lá antes e era apaixonada pelo país, estava louca pra voltar e tinha muitos amigos por lá. 

A família que eu trabalhei era um casal com dois meninos gêmeos de 5 anos de idade. Era uma família muito esquisita pois os pais não gostavam dos meninos então os gêmeos ficaram meio revoltados por causa disso. Eles eram agressivos, violentos e muito difíceis de cuidar. Sabe aquela vibe "evil twins" total? Pois é, tipo isso. Ainda bem que só fiquei dois meses naquela casa!


O host-dad me contou que ele e a esposa nunca quiseram ter filhos, ela engravidou por acidente e eles ficaram arrasados. Quando descobriram que esperavam gêmeos eles ficaram mais revoltados ainda porque se já não queriam uma criança, imagina duas. Eu fiquei chocada dele ter dividido isso comigo! 

A cidade era ótima, bem pequena do jeito que eu gosto mas com estação de trem e tudo que eu precisava. Eu morava sozinha numa casinha de hóspedes no jardim da host-family com quarto, banheiro, internet e um pequeno corredor com cafeteira e um frigobar. A vizinhança estava cheia de aupairs que logo fiz amizade. A gente ia caminhar na floresta todo dia depois do trabalho, saíamos para jantar, passear, fazer compras e visitar as cidades vizinhas. E o meu holandês que ainda estava afiado facilitou muito a minha vida apesar de todo mundo falar inglês na Holanda. Eu que já amava aquele país passei a gostar mais ainda.


É muito interessante voltar a um lugar onde a gente tem tantas lembranças boas. Eu já sabia em qual loja ir, qual comida pedir no restaurante, qual supermercado tinha o xampu e o chocolate que eu gostava. Conheci meninas incríveis que compensaram a host-family doida que eu trabalhava já que eles deixaram bem claro desde o início que eu era só mais uma empregada, fazendo questão de me tratar como tal. 

Um belo dia eu tava off no final de semana quando a host-mom bateu na minha porta e disse: "sai daí e espera lá fora porque eu vou mostrar o quarto para uma candidata a aupair que estou entrevistando. E você está proibida de interagir com ela". Gente, que situação! A minha vontade era de falar pra menina não fazer o match, lógico. Mas eu nem falei nada pois estava anestesiada com a frieza da host de me botar pra fora do meu próprio quarto, como se eu fosse um rato que apareceu na sala de alguém e precisava ir imediatamente pra rua. 


E sim, eu sabia que ia ficar pouco tempo com essa família mas quando a host fez isso eu tinha acabado de chegar lá. Fiquei com muito medo dela me expulsar de casa antes de acabar os dois meses que nós combinamos pois seria difícil arranjar outra família que me aceitasse de última hora e por tão pouco tempo. Minhas amigas falavam que a host tinha voltado pros sites de aupair então eu passei estes dois meses com a sensação de que estava segurando uma bomba relógio prestes a explodir a qualquer minuto já que a família realmente poderia me mandar embora a qualquer momento.

Aos trancos e barrancos eu consegui ficar lá até o meu visto estar quase acabando e aí voltei pro Brasil com a sensação de missão cumprida. Não era o meu plano original de passar um ano em Praga mas eu estava com orgulho de mim por ter me virado e feito essa limonada com os limões que a vida me deu. 

Para quem tem curiosidade sobre o programa summer de aupair, ele geralmente tem a duração de 2 a 4 meses e acontece no mundo todo.

0 comentários :

Postar um comentário