sexta-feira, julho 07, 2017

Da vida de au pair: a vontade de raptar as crianças.

Na vida, com relação a crianças, essa sempre fui eu:  


Aquela pessoa que nunca teve jeito com criança, afinidade, vontade de estar perto, nada parecido com isso!

Lembro até hoje o dia que eu precisei falar pra minha mãe com todas as letras que eu não gostava de criança e nem sabia se um dia as teria.. Vc chega aos 25 anos de idade, sua mãe já começa a criar expectativas, praticamente te cobrando pq, afinal, parece até que ela só foi mãe pra poder ser avó..

E ela ficou como?


E eu tive a capacidade de responder: mãe, tem gente que é assim mesmo, que não tem essas vontades, vai ver eu sou uma dessas pessoas..

Aí a vida me disse: vai ser au pair sim e vai cuspir pra cima pra levar na testa!

Meu primeiro ano de au pair foi em uma ilha do lado de Seattle, como já mencionado em outros posts aqui.. Cuidei de três crianças: menino de 8, menina de 10 e menino de 12.

Me apaixonei!

O menino de 8 anos era simplesmente sensacional! Era muito inocente e tinha um coração que abraçava o mundo, cada dia era mais engraçado que o anterior e tudo que acontecia fascinava ele!
E pela primeira vez na vida eu pensei "CARACA como é foda acompanhar o crescimento de uma criança!"

Onde eu ia, ele estava atrás.. Se ele me ouvisse pegando a chave do carro, em menos de 1 segundo já estava sentado no banco do passageiro, estivesse eu indo no posto de gasolina!

E confesso que quando fui embora (e até hoje) eu tenho sonhos com eles.. Quando a gente vai ser au pair, esse é um dos lados ruins.. A gente se apega e muito!
É diferente pra criança que tem uma au pair por ano (ou a cada 2) e já está acostumada..

Hoje, morando aqui em Amsterdam, eu sou a primeira au pair dessa família.

E adivinhem: me apaixonei outra vez!


Se é por eu ser libriana? Talvez!

Mas é que tem fofura que nem os mais coração-de-pedra aguentariam!

Aqui eu cuido de três também (não está fácil): menino de 6, menina de 9, menino de 10.. E, novamente, o de 6 é o meu carrapato!

Ele está aprendendo a falar inglês comigo, quando eu cheguei a comunicação era entre difícil e impossível! Ainda bem que ele é novinho e bem esperto, acaba pegando o inglês com mais facilidade que os outros dois..

Essa criança curte um abraço, um colo, um beijo, tem uma carinha de anjo que impressiona qualquer um! Nem quando faz manha eu consigo ficar brava e quando chora, tenho vontade de


Ele vem com aquele jeitinho dele falando uma palavra em holandês, uma em inglês.. Quero levar embora pra minha casa!

Mando fotos pra minha mãe, ela "aiiii cuida do meu netinho", já adotou!

Ainda não completei o meu quarto mês aqui e a ligação que foi criada é impressionante! Eu nunca esperei que pudesse ser tão forte e tão rápido assim..

A gente começa a olhar pra essas crianças como se fossem nossa cria.. E vê o playdate sendo maldoso com um deles, tenho vontade de chegar na voadora com a criança.


E se é com o mais novo então, aí eu viro leão..
Todos os amiguinhos que vêm em casa ja sabem! Dou bronca que eles nunca ouviram (até mesmo por ser em inglês, que é uma coisa que quase nenhum deles fala hahaha) e ainda saio patroa..

Pq, como já mencionado, nunca fui de gostar de criança, bronca pras crianças que não são minhas sai bem facilmente!

Mas quando o carrapatinho é meu, só love só love.


Eu, o meu amor e o dele: a pizza!

0 comentários :

Postar um comentário