terça-feira, setembro 19, 2017

O que meus pais tem a dizer sobre o Au Pair?


"Mãe, vou ser au pair!

Vai ser o que?

Au pair mãe, vou para outro país, estudar inglês e morar com uma host family, ajudar com a casa e com as criança e...

VOCÊ VAI SER BABÁ?


Mãe, não é bem assim..."

#dialogosreais #mumsbelike

Hi there!
Brincadeiras a parte, pensando nas futuras au pairs que ainda estão tentando convencer os pais de que o programa é uma boa idéia (ou de que elas não vão ser traficadas para a Turquia...rs) eu pedi aos meus pais que contassem um pouquinho sobre o que eles acharam da minha experiência!

Olha só o que eles disseram:



"Nos últimos dois anos vivemos uma situação que começa a acontecer com maior frequência nos lares brasileiros. Nossa filha primogênita, Bruna, decidiu ser "Au Pair".

A princípio, houve preocupação com essa sua incursão rumo ao desconhecido. No entanto, como sempre, ela foi cautelosa e detalhista e realizou pesquisas, efetuou contatos e encontrou a família para a qual iria prestar seus serviços. Um casal e dois filhos pequenos​ (4 e 6 anos na época)​, nascidos e residentes em Londres.

Malas prontas e o desconhecido nas mãos. Ficamos apreensivos para que tudo desse certo. Para nossa surpresa e alegria ela desembarcou no seio dessa família e nos transmitiu impressões positivas do primeiro contato. Passou a cuidar das crianças em dias e horários pré-determinados, com folgas, que-lhe permitiam tomar conhecimento com a realidade local.

Graças ao uso do whatsapp e skype nossa distância​ diminuiu.​ A comunicação frequente foi um dos principais motivos que fizeram com que a nossa experiência com o programa tenha sido positiva. ​O delay era muito pequeno, pois a cada dia nos contava sobre os cuidados com as crianças, desde levar e buscá-las na escola, atividades recreativas e no convívio dentro do lar.

Também passou a administrar determinados afazeres domésticos, tais como cuidar da compra de alimentos e cozinhar para as kids; o relacionamento favorável com os pais selou os sentimentos de afinidade e afeto com toda a família. Sua sensibilidade para lidar com as crianças ganhou contornos​ ainda mais​ positivos e o relacionamento se estreitou de forma a gerar muitas lágrimas em sua partida.

Além disso, começou a ocupar ​o tempo ocioso em sua agenda com novas atividades. Assim, nas horas vagas fez cursos na área de Psicologia, trabalhou aos finais de semana em pubs e quiosques que vendiam desde bebidas até doces, alguns jobs freelance na área de fotografia e inclusive, passou a escrever regularmente para este blog contando as suas experiências enquanto "Au Pair". Teve também a oportunidade de conhecer e firmar amizades com pessoas nativas e de outros países da Europa, além de viajar para outros países europeus em suas férias.

Enfrentou com firmeza alguns pequenos percalços de saúde, mas nada que comprometesse seus afazeres. Nossa aflição foi grande por estarmos longe, mas ela superou cada episódio serenamente​ e a família sempre foi compreensiva e a apoiou onde possível. No decorrer de sua estada também teve que se deparar com o problema do terrorismo, que se desencadeou em várias capitais da Europa. Londres não ficou impune. Nossa preocupação foi enorme, contudo ela sempre nos avisava ante qualquer situação desfavorável para nos tranquilizar.

Depois de dois anos participa​ndo​ do programa ponderou que era hora de retornar ao Brasil, para ficar com sua família e decidir seus próximos passos. Era hora de voltar para casa.

Nossa filha voltou e a mudança é notável. Está mais madura, independente e confiante. Afinal, viver tal experiência força a pessoa a superar as diferentes adversidades do caminho e a se virar sozinho. Sem colo de pai nem de mãe. Em momentos, foi difícil para nós e foi difícil para ela, mas o saldo foi positivo."


E os pais de vocês, meninas? O que acharam? Também viram mudanças positivas?

Beijos e até mês que vem!

https://www.instagram.com/brunatoriello

Aqui vocês encontram fotos das minhas andaças pelo mundo :)

0 comentários :

Postar um comentário