segunda-feira, novembro 13, 2017

PARTE II - DESISTI - voltei atrás no meu match. Por quê?



Oi gente linda, tudo bem?

Se você chegou até aqui sem ler a primeira parte dessa saga, sugiro ler (nesse link aqui) para entender melhor o contexto.

(...) Decidi voltar atrás no match. Achei que deveria tentar encontrar uma família que fizesse eu sentir o tal feeling, mesmo não sabendo se de fato ele existia (...).

Foram dias bem tensos, cheguei a pensar em desistir do programa, pois me sentia muito mal em voltar atrás depois de ter dado a minha palavra. Na segunda-feira me reuni (por skype) com a agência e expliquei toda situação. Fui sincera e disse que tudo havia acontecido rápido, que eu havia me empolgado com isso e que gostaria de voltar atrás. De início as agentes me explicaram que era normal ter insegurança e me perguntaram se estava certa da minha decisão. Minha resposta foi “sim” e para meu alívio, apesar de gerar um certo desconforto (normal né) tudo correu bem, pois acredito que ainda não haviam dado entrada oficialmente no meu match. Mas em todo caso, eu já havia confirmado para a própria família por skype - o que me resultou em mandar um constrangido e-mail à eles pedindo mil desculpas, pois eu havia me precipitado na minha decisão. 
Gente, não sejam essa pessoa!!!

Isso me gerou muito desconforto comigo mesma, com a agência (pois primeiro eu disse sim e depois não), mas principalmente com a família. Me coloquei no lugar de cada um deles...e se fosse o contrário? 
Seria como se uma família tivesse me escolhido, eu tivesse criado mil expectativas e um final de semana depois eles me dissessem que não me queriam mais.

Não quero com isso dizer que você é obrigado a embarcar depois de fechar match ou que não possa voltar atrás na sua decisão, até porque foi isso que eu fiz. Apenas digo: não deixe chegar nesse ponto! Se naquele skype, quando me perguntaram se eu aceitaria o match, eu tivesse dito a simples frase: “adoraria, mas gostaria de pensar por alguns instantes, organizar meus pensamentos e responderei assim que possível”, nada disso teria acontecido! 

Parece tudo muito simples olhando de fora: “ah, mas é só partir pra próxima”. Mas não é assim não...uma decisão como essa exige muita responsabilidade, seriedade e certezas das suas escolhas. Existem muitas pessoas envolvidas: você, o trabalho de uma agência¹ e a expectativa de uma família. E eu me considero uma pessoa hiper responsável, sempre pensei e refleti muito antes de qualquer decisão, mas naquele dia me deixei levar pela emoção. E depois fiquei com medo de passar uma imagem de irresponsável ou inconsequente. Afinal, uma das principais qualidades de uma Au Pair é responsabilidade, não é?

Como disse, tampouco estou dizendo que se você tomou uma decisão, não poderá voltar atrás. É sempre melhor mudar os planos enquanto ainda está no Brasil do que depois que estiver no seu destino. Mas talvez essa mudança gere alguma consequência (ou talvez até não) e você precisa estar preparado para o que vem a seguir - sejam coisas boas ou ruins.
Minha mensagem aqui é para aqueles que estão aguardando pelo seu tão sonhado match: *(pausa para aquela mensagem clichê, porém verdadeira)* 
Não ajam por impulso, prestem atenção aos detalhes e principalmente ao que o seu coração te diz. 

Pensem bem antes de qualquer decisão, para tomarem qualquer atitude com segurança. Eu aprendi a minha lição e depois disso, tudo passou a acontecer naturalmente e no tempo certo.
Se eu me arrependi de ter voltado atrás? - Em nenhum momento, pois a decisão de voltar atrás foi tomada com muita firmeza, diferente da decisão de aceitar o match.
Se eu poderia ser extremamente feliz naquela família? - Talvez sim, talvez não. Não é possível mensurar e/ou avaliar aquilo que não aconteceu, então optei por nem pensar sobre isso.

Hoje, não muito tempo depois desse ocorrido, eu tive meu “verdadeiro” match (que comentei aqui). Estou incrivelmente feliz, e de fato contando os dias para o embarque. 
E se tem uma coisa que eu posso afirmar (pela minha experiência, claro), é que o famoso feeling EXISTE! Eu de fato achava que não, mas ele existe. É só manter a calma para conseguir ouvir o que seu coração te diz! É lógico que sentimentos se constroem com o tempo e convivência. Mas aquela afinidade, o detectar coisas em comum, o se imaginar com aquelas pessoas e querer estar junto é o que podemos chamar de feeling - muito vai da sua interpretação.

Mas esse match será assunto para um próximo post, que vou adorar compartilhar! 
¹no caso da minha agência, são eles que intermediam o encontro entre família x candidatas au pair.

Vejo vocês em breve, no próximo dia 01. Beijos beijos!

Instagram: daianitobaldini
Blog: Eu + Rahysa temos nosso bloguinho onde além do Au Pair, compartilhamos sobre os preparativos do nosso ano de intercâmbio e (após nossa chegada) sobre viagens, perrengues, rotinas e afins! Confere lá: A Ponte Blog.

Dai ❤

Nenhum comentário:

Postar um comentário