quarta-feira, dezembro 27, 2017

Vamos falar de feeling... Ou melhor, FAKE feeling

Desde que descobri o au pair, sempre ouvi falar sobre o tal do "feeling". Ok, mas o que é feeling? Reza a lenda que feeling é quando você, no primeiro contato com a família, pensa: "eu quero essa família pra mim, amei eles e tenho certeza que vamos dar super certo!".

E eu sempre tive isso na minha cabeça: preciso sentir o feeling logo de cara, se não sentir, sei que não é a família certa.

Ah, doce ilusão...
Quando comecei a buscar famílias, uma logo de cara me chamou a atenção e eu (iludida) já me imaginava cuidando daqueles gêmeos lindos, sendo super amiga da host mom e tendo uma experiência incrível com uma host family perfeita.

Meu primeiro contato foi com a host mom, que logo se mostrou super amiga, super compreensiva, dizia que eu seria parte da família, que teria liberdade com as kids, que teria carro no meu tempo off, enfim, tudo que eu sempre sonhei. Só que tinha um porém, essa família tinha uma ex au pair, que pelo que a mãe dizia, ela tinha voltado pro país de origem por ter homesick. Pensei: "ok, ela não conseguiu se acostumar e resolveu voltar, normal", mas por sorte eu pedi pra falar com essa ex au pair. A mãe, meio que com receio, me passou o contato dela, e é aí que a história começa.

Chamei a menina, que era uma italiana super simpática e pedi pra ela me contar TUDO.

Resumindo:
1. Os pais trabalham o dia todo fora fazendo com que a au pair trabalhe mais do que o permitido por lei, sendo que no perfil eles falaram que sempre um dos dois está em casa.
2. Eles não compram comida pra casa, só pão, porque o resto das refeições eles fazem fora de casa! E não adianta a au pair pedir comida, que eles falam: "mas tem pão aí, pode comer". Ninguém sobrevive só com pão!!! 
3. Quando você está em casa, eles falam entre eles em outra língua, só pra você não entender nada.
4. Sobre o carro no tempo off, esquece! Só tem um carro e sempre um dos pais está usando.
5. A mãe não olha na sua cara e quando tem que falar algo pra você, ela fala com o pai e ele deixa um recado anotado na geladeira.


Entre muitas outras coisas que, claro, me fizeram desistir daquela família.

Pra encerrar, fechei match com uma família que no começo ao ler o perfil e ter a primeira ligação com eles, eu não tinha me interessado 100% porque não tinha me passado o tal feeling, mas depois de muita conversa, vi que a gente poderia dar certo.

Imagina se eu tivesse ido apenas pelo meu feeling? Sem procurado a fundo informações sobre a família? Em um país totalmente desconhecido, sem ter família nem amigos por perto? Provavelmente eu seria mais um dos vários casos de rematch por família perigo...

Então minha dica de hoje é: não confie só no seu feeling. O coração é traiçoeiro, lembre-se disso! 

Um beijo,
Isabella G.
Instagram: @IsinhaLopes

Nenhum comentário:

Postar um comentário