domingo, fevereiro 11, 2018

Doente do outro lado do mundo

Olá galera, tudo certo por aí? Coincidência ou não, eu estou doente, então o post caiu como uma luva! Apesar de não ser uma coisa que a gente queira, por isso nem sempre nos planejamos ou nos cuidamos, ficar doente acontece, é normal. Agora, ficar doente longe de casa ninguém merece!


Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o sistema de saúde europeu não é lá essas coisas. Obviamente - como TUDO - depende muito do país, do convênio, do médico, da sorte, etc, maaas no geral as coisas não são tão fáceis quanto se imagina. Exatamente por esse (e outros motivos) é essencial ter seguro saúde, que em muitos países é responsabilidade da host family.

O maior problema na Holanda em relação a saúde, é que quase sempre e para quase todas as doenças, o "remédio" receitado é dormir e repousar, ou no máximo um Paracetamol, isso se você der sorte, porque dependendo do caso o conselho será dar uma caminhada ao ar livre (sim, dá vontade de chorar e nem dá para acreditar).

Na Áustria o problema já é outro, bem diferente dos hospitais brasileiros (do sul, ou Curitiba, pelo menos), ninguém te dá muita atenção (no sentido de fazer exames imediatamente, investigar o que está errado e tal)  e você é jogado de um lado para o outro, a menos que seja algo seríssimo. Hospital aqui é só no caso de emergência, emergência, emergência meeeeesmo (eu fui com suspeita de infarto e a médica me perguntou o que eu estava fazendo lá, porque não esperei até o dia seguinte para ir no médico da família).

Outra coisa que é importante saber, é que aqui existe o médico da família. Um clinico geral, que tem o consultório perto da casa da família e é para ele que se recorrer sempre. É ele te encaminhará para um hospital caso necessário, para fazer exames, ou para um especialista (cardiologista, neurologista, dermatologista, etc). Aqui você não pode simplesmente ligar para um ortopedista por exemplo, sem a recomendação do médico da família e marcar uma consulta.

Considerando toda essa dificuldade, o melhor é não ficar doente claro, cuidando sempre da alimentação, se vestindo adequadamente, bebendo bastante líquidos, etc, aqui e em qualquer lugar do mundo. Eu acabei descobrindo que tenho a imunidade muito baixa, por isso sempre tomo chás que ajudam com a imunidade, procuro comer bastante frutas e verduras e sempre me vestir bem para sair no frio - meia térmica, blusa, casaco, cachecol, luva, touca. 

Infelizmente mesmo com todos os cuidados, nem sempre é possível evitar ficar doente, então o que eu recomendo é trazer alguns remédios do Brasil, para que caso isso aconteça, você possa "remediar" a situação, sem precisar se estressar com esse sistema de saúde louco daqui. 

É claro que em casos sérios, não se deve hesitar, o certo é correr para o médico mesmo, pedir a ajudar de um profissional, por mais complicado que isso possa ser, maaaas para uma tosse, uma dor de cabeça, uma dor de garganta eu evitaria. Eu sei que que a auto medicação é gravíssima e nós não devemos fazer, mas essa é uma coisa que todo mundo acaba fazendo quando mora fora, até porque não é possível comprar nenhum medicamento ou quase nenhum (dependendo do país), sem receita médica. Por isso anticoncepcionais e remédios controlados, também é bom trazer, pelo menos para os primeiros meses, até que você se familiarize com tudo e consiga marcar consultas.

Bom, como eu disse, o ideal e não ficar doente, se cuidando ao máximo, mas caso aconteça, em primeiro lugar peça ajuda, principalmente se for algo mais sério. Para aquela dor de cabeça no final do dia, ou para dor de estômago nas primeiras semanas da adaptação com a comida diferente (ou em caso de hangover) é bom ter seus remédios. Lembrando que a auto medicação não é recomendável, por isso tomem muito cuidado com os remédios que trouxerem e quando e como usar.

Desejo muita saúde a todos e que ninguém fique doente ou passe por problemas sérios durante o ano de au pair. Até mês que vem, tot straks! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário