quinta-feira, abril 05, 2018

Ou EU ou o AU PAIR - DICAS para quem está na dúvida entre o NAMORO e o INTERCAMBIO

“Júlia, quero muito fazer intercâmbio, é o meu sonho, porém, amo meu namorado, amo estar com ele e tenho medo da distancia acabar com o relacionamento”.


   Vejo com bastante frequência nos grupões de au pairs relatos como este. Futuros e futuras au pairs angustiados e sem saber “o que escolher, como escolher” e com medo de sofrer diante da decisão .
   Para você, que está nesse dilema, eu trago novidades, trago verdades e venho dizer que NAMORO x INTERCÂMBIO não são hipóteses opostas e podem SIM jogar a seu favor.

   Eu sou a Júlia, fui au pair em 2009 , hoje sou psicóloga clinica, trabalho também com assessoramento emocional online para intercambistas, e idealizadora do projeto Bate papo com pensamentos.
   Hoje vamos conversar sobre NAMORO x INTERCÂMBIO, pois percebo que é um tema que “dá pano pra manga”. Então vamos lá!
   Entre os bilhões de benefícios que você já deve ter lido que o intercâmbio pode trazer, vou listar mais duas vantagens: 
  1.  Fortalecer e amadurecer o relacionamento;
  2. Acabar de vez com eles (calma! A principio essa pode não ser uma vantagem, mas lá na frente você verá que foi melhor assim).

   Primeiro de tudo é bem importante deixar claro que não é fácil, mas que é possível, e que como falei, o intercambio pode trazer uma experiência única de amadurecimento e fortalecimento para ambos. Vocês passarão a conversar mais, aprender mais um sobre o outro, detalhes que as vezes acabam não sendo notados quando a convivência é diária. Laços de confiança também aumentarão, tanto a autoconfiança como a confiança no outro, e o casal começa a notar que aquela saída com os amigos no final de semana não é motivo de pânico e preocupação. A confiança aumenta, a segurança aumenta e o vínculo fica mais forte.


   A distância no tempo de intercambio também pode ajudar a trabalhar a individualidade do casal. É fundamental ter a ideia de que somos pessoas completas, únicas e independentes. Quem chega, chega para somar, transbordar e nunca para completar pedaços que faltam. Tá certo que essa ideia de “se completar” é algo do “amor romântico”, mas é também muito forte e que quando não há individualidade, sem o outro a pessoa realmente sente que falta um pedaço (e isso não é romântico, é grave)!  Aproveite o tempo de intercâmbio para fazer coisas que você gosta, se conhecer e incentive seu namorado (a) a fazer o mesmo.

   Nem sempre o Skype mata a saudade. Temos que colocar as cartas na mesa, né, mas criando novos hábitos de comunicação, fica mais fácil lidar com a distância. Vou dar um exemplo para ficar mais fácil explicar: vamos imaginar que você e seu namorado (a) costumam passar todos os finais de semana juntos; com o tempo, vocês se acostumam a isso, vira um hábito, uma rotina (no bom sentido). Com a distância, o cérebro continuará habituado por algum tempo à aquela rotina, e às sensações de bem estar que ela trazia. Ele (o cérebro) “pede” por ela,  e não será fácil. Criar novos hábitos, substituir por hábitos igualmente saudáveis e que incluam o parceiro pode ser enriquecedor para o casal. Tentar, por exemplo, “levá-lo junto” por chamada de vídeo em lugares legais que você vai conhecer será uma recordação muito legal e divertida. Ah, e com o tempo o cérebro se acostuma com esses novos hábitos e é por isso que fica mais fácil lidar com a saudade!

   Agora para encerrar, vai uma dica para quem está ficando. Aproveite a

distância para fazer algo novo. Sabe aquele curso, aquela faculdade, pós, que você está adiando há um tempinho? Aquele projeto que está na gaveta e que você acha SUPER promissor, mas andava meio sem tempo?! Aproveite para se dedicar ao seu crescimento pessoal, passe mais tempo com seus amigos e família, tire o maior proveito possível da situação, para que esse seja apenas mais um dos muitos desafios que vocês viverão na vida a dois!




   Well, este foi o nosso bate papo de hoje! Espero que tenham gostado e que ajude vocês nessa decisão!

   Se você tem alguma sugestão de tema para a gente conversar aqui no blog, coloque nos comentários! Sua ideia pode ser tema do meu próximo post!
   Até o próximo dia 05,
   Beijos,

Júlia B. Benedini – Psicóloga 

(CRP: 08/1965)

Nenhum comentário:

Postar um comentário