segunda-feira, junho 04, 2018

Bateu a bad: as coisas que a gente faz quando bate a saudade de casa



O que você faz quando ninguém te vê fazendo...
(se você não leu a primeira frase no ritmo certo, começou errado)

Meu aniversário chegou e, com ele, veio uma onda de bad insuportável. Comecei a sentir saudade até das coisas que odiava no Brasil. E quando a gente tá assim, a gente faz o que? Vai se jogar nas músicas, filmes e comidas de casa. Foi um festival de maionese, frango frito, sertanejo e girls in the house que vocês não têm noção. Comecei o dia ouvindo garota de Ipanema e terminei com buá buá. É, a situação não tá fácil.
Por isso, esse mês eu decidi fazer um top 5 com as coisas que faço para superar essa bad do demo. Culpem a Naiara Azevedo, que me fez chorar com essa música no busão umas cinco vezes. 
5) Assistir Todo Mundo Odeia o Chris
Eu sei, eu sei, a série nem é brasileira. Mas, como pessoa estranha que sou, eu vivia assistindo isso no Brasil. Ouvia (sim, eu colocava no YouTube e ia fazer minhas coisas) os Simpsons, Eu, a Patroa e as Crianças e Todo Mundo Odeia o Chris no trabalho, enquanto fazia textos, editava vídeos ou surfava na net (roubei esse termo da minha mãe sim <3)
Então, sempre que não consigo dormir por causa da saudade, quando estou muito triste por alguma coisa ou quando passo pelas crises em que não me sinto confortável em lugar nenhum, me tranco no quarto e assisto essas séries. Aí tenho a sensação de que estou no meu quarto e que logo meu pai vai me chamar para ir jantar.
4) Ir ao Carrefour
Consumismo, a gente vê por aqui.
Mentira, não é para comprar. É que tem um Carrefour bem do lado da casa da minha mãe. Então, quando estou nos dias ruins aqui, gosto de ir pra lá e pensar que é o Brasil. Além disso, tem vários produtos que me lembram as belezas brasileiras <3
Acho que os lugares internacionais sempre me dão conforto aqui. Ir na C&A chinesa quase me fez chorar hahaha (cada há é uma lágrima, mas tudo bem).
3) Limpar a casa
Sim! Se minha mãe me visse escrever isso, ia rir da minha cara.
Eu sempre odiei arrumar minhas coisas, limpar a casa, ajeitar a vida. Maaaaaas, aqui, o jogo virou. Eu vivo pegando o balde e o meu rodinho (que é maravilhoso, inclusive) para limpar a sala, a cozinha, dar uma geral no quarto. Limpar a casa é mesmo uma terapia. Obrigada, China, por me mostrar a verdade. 
2) Ir pro fogão
Cozinhar é uma outra tática para vencer a bad. Eu trouxe várias caixas de creme de leite e leite condensado. Trouxe também um pacotão de Nescau <3 Então, sempre que a tristeza está insuportável, vou pro fogão fazer brigadeiro.
Também gosto de ir ao mercadinho pra comprar frango, batata e cenoura pra fazer aquela maionese de domingo. Isso ajuda e muito a matar a saudade da comida do Brasil. Só me falta a farofa e eu serei – quase – plena.
(mentira, ainda falta açaí. Dê valor ao açaí. Agradeça a Deus pelo açaí. Valorize cada segundo com ele e com a sua paçoca. Quando você sair do Brasil, você vai literalmente chorar por causa dessas coisas. Não vou nem começar a falar dos salgadinhos...)
1) Me jogar no sertanejo
Enquanto você não voltar meus olhos desidratam de chorar e eu buá buá buá buááááa...
É, minha amiga, é nessa onda que eu me encontro. É de Naiara Azevedo para pior. Esses dias me peguei cantando “e pra pior tá tocando um modão de arrastar o chifre no asfalto” do nada. Isso quando não tem um funk na cabeça.
Eu tive minha fase sertaneja, mas não durou tanto assim. Continuo gostando, mas nunca foi meu ritmo favorito. Mas, na bad, só sertanejo me alegra. Ouvir essas músicas me dá um conforto sem igual e me faz dormir quando a bad aperta. 
Leva o meu celular que se eu beber eu vou querer ligar
Chorando, implorando pra voltar
Pode levar, pode levar sem dó
Ainda bem que eu não sei o número dela de cor
Com essas sábias palavras eu encerro esse post. Me conte as suas táticas para vencer a bad e vamos dar as mãos e chorar juntas <3
Um beijo e até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário