sexta-feira, agosto 10, 2018

Como uma conversa desconfortável com a host family pode mudar tudo

E aí, eu falo ou não falo? Vai ser muito desconfortável. Melhor deixar pra lá. Ou não. O que eu faço? Isso pode mudar tudo! É... Precisamos conversar... 


Estou na Bélgica há 4 meses e nesse período estive me adaptando a família, ao país e viajando (uhul!).

A minha rotina sofreu algumas mudanças desde que a host family adotou um animal de estimação e as viagens de trabalho começaram a ser mais frequentes.

Até então, tudo bem. Au pair é sobre flexibilidade e adaptação, não é mesmo? E aí chega o momento de férias escolares...

A criança o dia todo em casa atrás de mim, junto com o cachorro, aquela loucura de “o que vamos fazer hoje?”, os pais trabalhando, um calor insuportável.

Fim do dia? Exausta... Essa rotina será normal para os próximos dias?

Comecei a ficar desconfortável, cansada, irritada. E aí chegou o momento de questionar as minhas tarefas diárias.

Busquei relatos e opiniões de outras pessoas que passam ou passaram por tal experiência. Quer saber o que eu mais ouvi nesse período?

- “Ah, mas a sua rotina é tranquila.”
- “Já ouvi situações bem piores hein.”
- “Uma criança só? Para de reclamar vai...”
- “Você não passa nem metade do que eu passo toda semana!”


Apesar disso, ignorei os “conselhos” e abri um diálogo com a minha host family. Já estávamos em países distintos (período de férias).

Ninguém esperava uma mensagem sincera da au pair antes de voltar ao trabalho. E confesso, foi um clima tenso para as duas partes.

Marcamos uma conversa pessoalmente e eu quase não dormi até aquele dia. Pensei em vários cenários, a maioria negativos.

No final das contas, o dia chegou e a conversa foi muito produtiva e compreensiva. Nada do bicho de 7 cabeças que eu estava esperando. Estabelecemos uma rotina nova e equilibrada.

Talvez a relação estritamente profissional com a família me ajudou a alcançar isso. Talvez não. Mas quer saber a real?

Uma iniciativa desconfortável em se abrir e falar o que sente resolveu tudo. E não me arrependo. Estou muito melhor agora!


Acredito que a gente tem duas saídas principais nessa situação: aceitar tudo em silêncio ou tentar mudar a realidade.

E quando você tenta mudar, você sai da sua zona de conforto, enfrenta seus medos e aceita os novos desafios.

Se você, assim como eu, tem receio de ser tratada mal, passar por rematch, sofrer com outras famílias, ter que voltar para o Brasil, enfim, lembre-se de uma coisa...

Nada vale mais do que a sua felicidade 😊


Escolha o que é melhor para você e continue lutando para ser feliz todos os dias.

Uma conversa desconfortável pode mudar tudo (para melhor, acredite).

É isso.

Um beijo e até mês que vem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário