terça-feira, setembro 07, 2010

Não pensei num título - por Monick Vasconcelos.

Vou começar respondendo as perguntas que algumas meninas fizeram mês passado, quando fiz o post “conversando com a host family”. Me perguntaram como eu me sentia em relação a host falar do meu inglês. Bom, no início eu me sentia péssima. Eu vim para cá para aprender, coisa que eles não fazem (já que falam inglês acham que não precisam saber nenhum outro) e ao invés de admirar quem tenta aprender, criticam. Mas ao mesmo tempo que ela criticava, outras pessoas elogiavam. Depois eu parei para pensar: ela está certa. Todo mundo diz que depois de 3 meses, seu inglês dá um up. O meu apesar de algumas palavras novas, ainda continua capenga. E eu percebi que muito disso é minha culpa. Não tenho uma amiga de outro país ou americana aqui, só conheço brasileira, só falo em português no meu tempo off e só estudo quando tenho uma dúvida específica. Eu sei que geralmente pessoas de outros países são diferentes em relação a amizade (não sei exatamente como, mas foi o que ouvi), mas é importante se você quer mesmo aprender. Mesmo porque você não vai falar da balada, das festas e dos problemas da sua vida para as kids ou para os hosts. Tem coisas que a gente precisa de amigo para conversar, alguém da nossa idade, sei lá. Aceitei o fato de que meu inglês não é dos melhores, fui atrás do curso para começar e ando mandando e-mails para as novas au pairs da região para tentar fazer amizade. Todo mundo fala que não adianta andar com brasileiro, mas acho que vai do esforço de cada um, eu vou tentar conciliar os dois.
Outra coisa que vossa administradora queria falar, que decepção senhores 30 au pairs! Mesmo mudando as pessoas, continuam deixando buraco. Às vezes eu até sinto vontade de cancelar o blog, de tão triste que eu fico. Eu sei que centenas de meninas me mandaram e-mail querendo participar, mas 99% estão no início do processo e quer queira, quer não, vocês acabam ficando sem assunto. Eu vou escolher as novas (isso mesmo novaS, vou abrir mais vagas) essa semana, prometo! Isso inclui o comentário que meu e-mail não está ali para tirar dúvidas pessoais, não sei qual a melhor agência e não sei se o programa vale a pena. Não sei quando me nomearam consultora. O que vocês podem fazer é ler e ler, e quando achar que sabem o bastante, leiam mais. Existem milhões de blogs de au pairs, e como sempre digo, cada caso é um caso.
Outro conselho que posso dar, o confessionário da comunidade de au pair. Gente, vocês precisam participar mais, isso super me ajudou. Por exemplo, quando fui tirar o visto, fiquei na casa da Amanda Yes Ok, mesmo sem conhecê-la. Fiz amizade com várias pessoas virtualmente, como a Mari e a Nana, e esse fds pude conhecê-las, e é engraçado, parece um sonho louco. A gente tem contato desde o Brasil, mas não é real até se conhecer de verdade. Inclusive, adorei todo mundo e todos os momentos.
Voltando para a vida de au pair, eu percebi que depois de um tempo a gente passa a ignorar mais as coisas. Um dia sou melhor amiga da minha host, noutro dia ela me trata como se eu fosse o Bin Laden cruzando a fronteira do México. Faço meu trabalho, se ela gosta bom, se não, procure outra au pair. Mas o fato é que passamos a conversar mais. Até meu host que era mais fechado, conversa mais comigo hoje em dia. O que não significa que somos amigos. Acho que tudo é uma troca de interesses, eu dou uma ajudinha aqui, dou uma olhada ali, mesmo estando off e vou sendo recompensada com outras coisas. Como o apartamento em NY que eles emprestaram. Em plena Times Square. Como a Mari falou: quem imaginava no Brasil que a gente acabaria aqui?
Não sou a au pair mais feliz do mundo, não tenho a família dos sonhos, sou cheia de problemas, dúvidas e reclamações, mas aqueles pequenos momentos, aqueles que o tempo passa voando, aquele lugar que você só via em filme, aquele que você nunca imaginou um dia estar, fazem as coisas valerem a pena.

4 comentários :

  1. Ei Monick,

    Mto bom seu post de hoje. Eu acompanho sempre o blog e fico decepcionada com os descasos de algumas au pairs com o blog. A informação, dicas das mais experientes é extremamente importante para as iniciantes. Não acho que isso deva acabar, o trabalho feito por vcs é mto reconhecido por nós que acompanhamos e compreendemos a seriedade das informações postadas aqui. Posso dizer que aprendemos com os erros de vcs e é claro com os acertos também. O manual da au pair é super válido, mas acho que esse blog tbm, uma vez que são relatos verídicos.Sobre o inglês, puxa, é uma das coisas que anda me impedindo de iniciar de fato o processo, já estudo há 4 anos mais ainda me sinto hiper mega insegura. Fico esperando estar pronta para ir. Eu te admiro por toda essa coragem em relevar as críticas dos seus host e correr atrás para aprimorar a língua. Tenha sempre foco!
    Grande beijo e sigo acompanhando por aqui e pelo confessionário.

    ResponderExcluir
  2. Gente...eu nem conheço/ converso com a Monick..mas sou tão fã dela! *__*

    Eu tbm me chatiei um pouco, pela ausencia aqui no blog das girls!!!
    No confe da comu, assumo que tô mto ausente...mas é pq minha vida tá um inferno de correria...
    Minha familia entrou em contato numa terça-feira, pediu o match no domingo, e me deu um mes pra fazer TUDO...
    quinta é meu V day, e cá estou...há dias do embarque com NADA pronto/resolvido.
    Esperando o visto sair pra ACORDAR pra realidade :/
    Eu adoraria participar aqui do blog... adoro escrever, e quem sabe não poderia ajudar com minhas maluquices! rs
    Enfim...ótimo post Monick...vc é fera guria!


    ps: torçaaaaam por mim pela quinta-feiraaaa!

    ResponderExcluir
  3. Assino embaixo, sem tirar nem por.
    E bóra estudar ingles pra ficar metida no brasil muahahahahahha

    ResponderExcluir
  4. Conversar com hostfamily principalmente sobre assuntos delicados é complicado. A gente tem a sensação de que o clima nunca mais é o mesmo. Não se preocupe se a sua host não for sua amiga, melhor do que morar na casa de uma pessoa que te odeia! E olha, eu sobrevivi!!!
    Com relação à melhora do inglês, isto é algo que depende exclusivamente de você!!! No meu primeiro e segundo anos eu tive 2 melhores amigas e elas eram brasileiras, então a gente só conversava em português, aos poucos foram adicionando amizades estrangeiras e treinávamos um pouco. A melhor coisa que você faz é assistir filmes, com legendas, te ajuda muito a absorver vocabulário e pronuncia, me ajudou muito! E leia!! jornal, internet, um livro, acaba ajudando muito também, escute suas músicas favoritas e tente pegar a letra delas para acompanhar, assim voce canta ela certinho e é uma ótima forma de aprender pronúncia e vocabulário. Não tenha vergonha de falar, e não ligue pros comentários dos hosts. Pergunte pra eles quantos idiomas além do inglês eles falam... garanto que nunca mais irão tirar sarro ou comentar do seu inglês.

    ResponderExcluir