quinta-feira, setembro 12, 2013

Confesso que estou com medo.


E infelizmente não tem tanta animação como o meu ultimo do dia 12.

Eu tomei grandes decisões recentemente, começou com o grande passo de trancar minha faculdade. Depois disso, eu simplesmente me joguei e mudei tudo que não me fazia feliz.

Ta, e o que isso tem a ver com o programa?

Bom, recentemente eu dei um passo estrondoso, e percebi que ele ia me preparar mais para o programa do que qualquer outra coisa.

Há um tempo, comentei no grupão que tinha sérios problemas com minha mãe e que esse era um dos grandes motivos que me levavam q ser Au Pair, a chance de recomeçar. Por diversas vezes as situações apertavam e eu ameaçava sair de casa, mas ela pedia desculpas e tudo se acertava até a semana seguinte.

Dessa vez, nessa fase impulsiva de dar os passos que antes eu não conseguia, eu decidi sair de casa!

E gente... Que medo que eu senti! 

Eu me mudei para duas ruas acima da casa da minha mãe, cerca de 5 min a pé. Eu continuaria perto da minha família (irmã, tia, sobrinhos) e perto de tudo como antes, como trabalho e etc.

Então qual seria a logica do meu medo? Eu estava saindo de uma casa de maus tratos, onde eu não me sentia bem para viver com pessoas que me tratavam bem e ainda sim a sensação era horrível!

A frase que eu mais repeti para mim mesma e para todos a minha volta era:

"Se eu não posso morar a 5 min da minha casa, com pessoas que conheço desde minha infância... Como posso ir morar em outro pais com pessoas completamente estranhas e de uma cultura diferente?"

E esse foi meu lema, eu sabia que precisava passar por isso!

Claro que foi um bafafa com minha mãe, todo o transtorno da mudança e de ser meio que expulsa no final das contas (ela chegou a tirar a minha chave do meu chaveiro enquanto eu dormia). Foi uma semana tenebrosa!

A primeira semana de adaptação foi ... Eu nem sei explicar!

Eu estou morando com uma amiga de anos e com a mãe dela que me trata como filha (e bem melhor do que minha mãe jamais tratou).

Não da para descrever o medo que eu senti quando realmente não tinha mais volta, quando eu tinha tomado a decisão que a anos eu fingia tomar. É assustador, apavorante, desesperador... Mais sabe... No fim vai valer a pena.

Hoje faz um mês que eu mudei, e não posso dizer que estou feliz. Eu não estou feliz! 

Eu não consigo me sentir em casa, eu me sinto sempre sozinha. Mesmo tendo uma ótima relação, pessoas para conversar... Não é a mesma coisa. Não são minha família ou meu lar.

Não ta fácil, confesso. Ao menos agora eu não sinto mais medo. Me sinto desamparada é verdade, mas muito mais forte, independente e mais preparada para o intercâmbio!

Morar com pessoas que não são sua família te faz aprender a ser "hospede". Sim, pois na nossa casa, fazemos as coisas do nosso jeito, no nosso ritmo. Quando a casa não é sua (mesmo você pagando para morar la) você tem que se adaptar as regras dos outros, a limpar o que você sujar, na hora que sujar.

Isso foi bem chato no começo, eu sentia que eu estava incomodando o tempo todo, mas estou mais adaptada. Faço o que tenho que fazer automaticamente, deixo tudo do jeito que encontro (ou mais limpo/arrumado) faço tarefas que não me pediram para fazer, por que eu sinto que devo fazer.

Foi um back! Mas só assim senti realmente que eu cresci! Que agora sou eu contra o mundo.

Então eu penso: Se para mim, que nunca tive uma mãe presente, apoio ou atenção, que sempre me virei sozinha e fiz tudo por minha conta... Foi tão difícil uma simples mudança... Como sera o começo desse intercâmbio para aquelas meninas que nasceram em famílias incríveis?

Eu não quero sentir o que elas devem senti... É um vazio muito grande!

Agora eu sei que vou enfrentar melhor a adaptação ao novo pais, estou mais forte e confiante em mim. E acho que é ideal para quem tiver a oportunidade de fazer isso meses antes do embarque previsto.

Gente, deu muito medo... Mas eu fui com medo mesmo!

Uma ressalva: Para quem tem irmãos pequenos ou bichos de estimação, essa experiência é ótima para acostumar com a distancia deles. Ficar sem minha irma tem me feito perceber o quanto ela é importante, e quando estou com ela, dedico todo o tempo a ela (e não quando estamos no PC com eles do lado). Alem disso, previne que eles fiquem doentes ou sofrendo muito com a ausência repentina da gente.

Por hoje é só... Eu volto dia 12 com mais alguma coisa ai.

Abraços!



12 comentários :

  1. Daiane te desejo força e fé, porque Deus é por você e porque todos somos capazes de realizar nossos sonhos! Apesar de você ter tido medo, você o enfrentou! E como você disse, isso vai te ajudar na vida de au pair (;

    Bjos e até seu próximo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada mesmo, eu sei que só com muita fé em Deus e nos planos dele para mim que eu vou passar por isso... E é só o começo da jornada!

      Excluir
  2. Força Daiane!!, Eu moro a dois anos longe dos meus pais, e apesar de tudo foi a maior experiencia de crescimento pessoal, fortaleza e aprendizado que eu já tive! Essa fase vai passar, até você conseguir ser independente de verdade será uma grande conquista pra você e se sentirá feliz! Uma hora o filho tem que seguir o seu caminho e isso não é um bicho de sete cabeças! Muita força pra você e você vai conseguir superar tudo isso. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a gente só sabe como é quando arrisca... Facil não é, mas quem disse que era para ser facil neh?
      Obrigada por comentar! :)

      Excluir
  3. "Se a gente quer algo que nunca teve, tem que fazer algo que nunca fez."
    Acredite em ti que no fim vai dar certo quando for pra ser ;D

    ResponderExcluir
  4. Anônimo13/9/13

    Se prepare intensamente para realizar seus sonhos, prepare-se interiormente, pois apesar da viagem significar recomeço, existe uma grande diferença entre tentar fugir de uma realidade. A felicidade começa por vc flor e seus sentimentos te acompanham aqui ou lá fora. Como vc eu escolhi o intercâmbio como uma forma de liberdade, já exausta do conhecido, mas agora estou na terapia me preparando para a viagem, entendendo o que acontece comigo e ao redor. Resignifique sua vida, pq ela não muda em palavras e paisagens ela muda com uma atitude interna que só pode ser dada por vc. Te desejo força e muita felicidade, que essa situação te faça compreender as coisas e suas escolhas...

    ResponderExcluir
  5. Engraçado, eu passei por essa experiência de medo há 4 anos atrás, quando sai de casa( interior da Bahia) para morar em uma Residência Universitária, na capital, Salvador-BA.Nunca tive um relacionamento ruim com os meu pais(sou filha única) mas sempre senti que ali não era meu lugar.A experiência de morar com pessoas que vc nunca viu é um muito estranha, imagina quando essas pessoas tem principios totalmente diferentes do seu?Foi muito duro, mas eu atingi um nível bem legal em relação a adaptação.Hoje posso dizer que essa experiência esta sendo muito válida para o Au Pair.Boa sorte para todas nós, e não podemos esquecer de uma coisa: FOCO e FOCO sempre!!! bjos

    ResponderExcluir
  6. Boa sorte Dai! Sei que é dificil mas acredite, para correr atras do que se quer temos que deixar pra tras o que nos prende ao passado.
    Vou te dar uma dica que funciona comigo...Eu particularmente chamo isso de "Mentalizar".

    Sempre que vc estiver triste, pra baixo e focando nas coisas negativas da tua vida, respire fundo, va a um lugar ao ar livre e simplesmente foque na sua respiracao "de preferencia com olhos fechados" enquanto vc pensa nas coisas que quer alcancar, nas possibilidades que a vida e nos seus objetivos. Mentalize coisas boas e foque no positivo, depois abra os olhos e volte pra sua realidade

    Parece besteira mas esse tempinho que vc passou apenas pensando em coisas boas, traz energia positiva pra vc e pra tua vida. Pelo menos comigo funciona e depois que comecei a "mentalizar" com mais frequencia percebi que tudo tem fluido melhor sabe?

    Boa sorte com tudo e força!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Dai!

    Que barra, ein? Não podemos dizer que não ter mãe presente é normal, mas também não podemos dizer que é anormal. A relação que tinha com minha mãe não era das melhores. Eu, hoje, busco melhora-la sempre que posso e sempre que vejo que há espaço. Ainda levo umas boas cotoveladas quando as crises de menopausa dela chegam ao pico, mas "a gente vai levando, essa vida".

    Acredito que sair de casa é um passo bastante importante, e que se você acha que fez certo, você fez certo!

    Desejo que Deus esteja contigo e que você continue firme e perseverante diante dos seus sonhos e objetivos.

    Esteja bem!

    #SucessoParaNós

    ResponderExcluir
  10. Também sai de casa devido o meu relacionamento com minha mãe, e até que melhorou. Ela passou a me ouvir mais e entender que eu sou adulta e posso tomar minhas próprias decisões. Ela diz que age assim por proteção, por não querer me ver sofrer ao tomar decisões erradas, na opinião dela. Mas, sei lá.. Eu acho que temos q passar por certas coisas pra aprender também, né? Eu já pensava em ser au pair antes de sair da casa dela, e agora penso ainda mais. O tempo está passando e morando sozinha aprendi que não terei meus pais alí pra sempre, e tenho que correr atras dos meus ideais e sonhos. Te desejo toda a sorte, flor. Vai ficar tudo bem, acalma esse coração <3

    ResponderExcluir