segunda-feira, novembro 16, 2015

Au pair que ama, educa!

Ontem a noite eu estava colocando as crianças pra dormir e o meu boy, que odeia bed time, (E quando eu digo que ele odeia bed time eu quero dizer que na quarta, por exemplo, eu escutei do meu quarto ele indo e vindo do quarto pra sala gritando com os pais porque não queria dormir), achou que seria uma boa idéia escalar a cabeceira da cama depois de eu ter dito que era hora de fechar os olhos e dormir.


Eu falei uma vez, falei duas vezes. Na terceira vez eu falei em um tom bem firme que se ele não deitasse e fechasse os olhos naquele momento eu ficaria crossed(inglês britânico pra p. da vida haha) e que ia por ele pra dormir no quarto dele sozinho(ele estava deitado na cama da irmã).
Ele bufou e disse que eu estava sendo meio rude com ele, mas deitou.
3 minutos depois ele disse:
S: Bruna, posso falar uma coisa?
Eu: Não S, durma!
S: Mas Bruna, é muito importante...
Eu: Ok, fale S.
S: Você é uma au pair muito legal. Eu te amo.





Logo que eu cheguei a última coisa que eu queria fazer era ter que "disciplinar" as crianças. Porque?

1- Porque eu me imaginei no lugar deles. Da noite pro dia aparece essa pessoa na sua vida, morando na sua casa e te dando ordens? Eu ia odiar essa pessoa.
2- Porque eu queria que eles gostassem de mim.
3- Porque educar é exaustivo.


Eu percebi logo de cara que os pais era bem tranquilos em relação a disciplina. As crianças não são mal educadas comigo, mas elas são bem, bem... livres.
Na volta da escola elas jogavam a mochila no chão e deixavam o sapato em cima do sofá. Elas comiam uma banana e jogavam a casca no chão. E olha, I'm so sorry, mas eu não ia ficar catando coisa do chão, especialmente cascas de banana. Além do que, pensando como educadora/professora esse comportamento é inaceitável, gente haha



E aí eu tive que começar a me impor, ensinar que os sapatos iam ficar naquele cantinho, que a mochila a gente ia pendurar ali e que a casca da banana, por mais bizarro que pareça, tem que ir pro lixo... hahah
Eles odiaram tudo isso. Perguntaram porquê. Disseram que com a mãe deles não era assim. Falaram que eu era chata.



Lógico que sim né. Quem gosta de regras?
Os primeiros dias foram mais difíceis. Mas aos poucos eles começaram a automaticamente pendurar a mochila. Eles quase sempre deixam o sapato no lugar certo agora. Mas vira e mexe algum deles tem uma crise porque precisa brincar e não quer pendurar o casaco.
As vezes essas crises são só uma manha, as vezes elas duram 40 minutos no dia que eu to com dor de cabeça, fui no banco pela décima vez em duas semanas e ainda sim não consegui abrir minha conta. Mas eles não tem nada a ver com isso.

Educar não é fácil. Enche o saco, toma tempo e requer toda a paciência do mundo. Talvez por isso muitos pais acabem deixando tantos comportamentos errados se desenvolverem. Não quero julgar ninguém porque ainda não tenho filhos e não sei como é ser pai/mãe 24hs por dia. Mas como educadora e au pair queria muito que os pais entendessem que aquela meia hora colocando a criança na cama e lendo uma história, ou que ser mais firme e lidar com a crise que segue valem muito a pena. Na verdade, todo mundo que está diariamente com crianças precisava entender isso. Quando se trata de educação o melhor caminho raramente é o mais fácil. E disciplina é essencial.



É claro que como au pair não podemos impor a rigidez de uma escola, afinal criança também tem que ser livre, brincar e se expressar. Mas limites e estrutura não fazer suas host kids deixarem de te amar. Elas vão reclamar, vão te chamar de chata, vão fazer cara feia... Mas 10 minutos depois elas vão te abraçar e dizer que te amam. E por mais que cada gesto seja muito importante pra uma criança (minhas kids vivem me lembrando de coisas que eu não lembro) elas perdoam muito fácil. Portanto, não tenha medo de exercer autoridade se você sabe o que está fazendo!

Só não pode confundir ser firme com ser ruim haha Porque tem muita gente que não sabe se impor sem gritar. Se você grita com uma criança, muito provavelmente ela vai assimilar aquele comportamento e reproduzir. Fora que poxa, vejo muita au pair reclamando das kids, que são terríveis, mal-educadas, estão lá só pra empatar a vida delas... Oi?



Claro que tem crianças terríveis e que não vai rolar aqueeeela conexão entre toda criança e sua au pair. Mas na maioria dos casos, com um pouquinho de boa vontade dá pra construir uma relação muito legal. É importante mostrar que você se importa, querer saber como foi o dia da criança, fazer um esforço pra de fato brincar com ela e não só "supervisionar"(nem que seja só as vezes!), inventar jogos e atividades divertidas e ser divertida (colocar a música preferida das kids bem alto e dançar junto!), respeitar e entender os diferentes momentos.
No dia-a-dia tento ao máximo ser gentil com eles, dar carinho, ser educada... Tento muito ser um "bom modelo". Vivo falando pra eles que devemos tratar os outros como gostaríamos de ser tratados (e isso vale pra todo mundo, inclusive pras au pairs!), ajudar quem pudermos e respeitar todo mundo.
Se funciona? Sim.
Sinto eles muito diferentes de quando os conheci. Pelo menos quando estão comigo... haha

Minha conexão com as minhas kids não foi tão instantânea quanto eu gostaria, especialmente com a girl (embora eu tenha mais problemas de disciplina com o boy), mas fomos aprendendo a conviver e a nos divertirmos juntos.
Hoje eu amo minhas kids e sinceramente não entendo como alguém consegue ser au pair sem amar crianças. Não, não é só um trabalho. 
Óbvio que não dá pra ser a Mary Poppins todo dia, mas acho que ter essa consciência ajuda a gente a pensar duas vezes antes de perder a cabeça e dar aquele grito quando eles decidem tacar o terror. Ou quando pela milésima vez, eles "esquecem" que a casca da banana se joga no lixo.



See you soon :)

Personal Blog

0 comentários :

Postar um comentário