sexta-feira, fevereiro 23, 2018

Dá para ser amiga da host mom?

Quando resolvi escrever sobre este tema, ainda não estava na situação que estou hoje, doente! O que intensifica ainda mais a minha opinião, mas falo sobre isso no fim do texto.

Sabemos que cada hostmom tem uma personalidade diferente, algumas te deixam mais a vontade e outras são mais sérias e reservadas. Mas, meu conselho, é que independente da personalidade da sua host, faça o possível para se aproximar dela e se tornar amiga.

Acreditem, assim como você, ela também tem insegurança, medos, receio de te falar certas coisas, não saber o que fazer para te agradar.Vivi isso sendo au pair pela primeira vez de duas famílias e, estas hosts foram as pessoas mais incríveis que eu poderia ter na vida! 

A primeira, tinha acabado de sair de um divórcio e apostou todas as fichas em uma au pair, tipo...sai o pai/marido entra uma au pair! Ela me chamava constantemente para jantar, cinema, beber vinho, woirk out... As vezes me sentia sufocada porque também queria passar o fim de semana com amigas. Mas eu tentava conciliar as duas coisas. Com ela eu me abri sobre meu relacionamento, sobre problemas de família, juntas encaramos uma mudança de cidade e de vida. E posso afirmar, é uma pessoa que terei para sempre presente na vida.

Agora como au pair na Holanda sinto a mesma coisa! Sou a primeira au pair e a host não sabe o que fazer para me agradar; claro que não fazemos tanta coisa juntas porque ela tem a família em primeiro lugar. Mas, estou aqui há menos de dois meses e fiquei doente. Ela não só me traz comida na cama, como me deu uma semana off para me recuperar. Hoje fui agradecê-la pela força e acabei caindo no choro. 

Então meninas, se Deus colocou uma host mom especial no caminho de vocês, dê muito valor. Converse com ela, lembre-a que ela ainda é jovem, é atraente, que pode rir e se divertir, convide para uma girls night! Vai quebrar o gêlo na relação!

Claro que nem sempre tive essa sorte. Quando fiz au pair a primeira vez, aos 22 anos, eu tinha uma host super fechada, eu não tinha liberdade para conversar nada com ela além do schedule das kids. Ela era relativamente fria comigo. 
Até que no dia de eu partir, ela me abraçou forte e chorou copiosamente. Eu fiquei MUITO surpresa. Mais para frente ela me ajudou fazendo uma carta de referência incrível para eu aplicar para au pair de novo. E eu entendi que era apenas o jeito dela, talvez ela não soubesse como se aproximar, mas minha imaturidade não me permitiu ver isso na época. 

Vamos fazer o possível para tentarmos nos aproximar deles, afinal, moramos na mesma casa e, é muito bom deixar as portas abertas para voltar!!! 



Nenhum comentário:

Postar um comentário