quarta-feira, agosto 13, 2014

A verdade e que nao existe uma verdade absoluta





Eu acho que esse é o grande problema das pessoas que se entregam com tudo e se jogam de cabeça. Eu sou uma eterna apaixonada, sou intensa, sou dramática e visceral… Não adianta é assim que eu sou.  Quando se trata de um assunto ou alguém que eu gosto, eu praticamente amo tudo que me apresentam. Na faculdade de psicologia, por exemplo, eu adorei a psicologia hospitalar, mas também acho  a psicanalise fascinante, amo desenvolvimento infantil,  porem acredito que a Terapia cognitiva comportamental faz todo sentido para algumas questões.  Quando eu estava viajando, eu amei Chicago, mas San Francisco é tao a minha cara e NY… Ahhh sem palavras! E ainda existe um enorme espaço pra Maryland dentro do meu coração!  Enfim, eu não acho justo ser radical e arbitrária em minhas opiniões (apesar de ser uma pessoa bastante teimosa ao defende – las) . Eu acho que a riqueza de tudo é ser aberta ao novo! E nessa de me “abrir” a novas descobertas, eu simplesmente fico fucking divida… E meu amigo, não é fácil.
Eu poderia  falar que prefiro morar no Brasil, andar de busão lotado, passar calor/frio sem ar condicionado em todos os lugares, ter muito mais cuidado ao sair na rua porque é  mais inseguro, ter mais dificuldades pra adquirir as coisas porque e tudo mais caro, etc. Mas ao mesmo tempo eu iria  falar que estar próximo a minha família e pessoas que realmente se importam comigo é muito bom e reconfortante. Abraço faz muita falta. Lutar pelos meus ideias e ir em busca da realização profissional que eu tanto acredito é o que da sentido a minha vida. Me sentir   “em casa” em qualquer lugar, me sentir feliz pelo simples fato de saber que todos alias amam o mesmo lugar que eu, ahh isso faz alguma diferença.
Mas ao mesmo tempo eu posso falar que amo a facilidade e a segurança do dia a dia, que adquirir bens materias e viajar aqui é mais fácil e barato, que as coisas são mais desenvolvidas no primeiro mundo, que as pessoas são mais educadas e reservadas, etc. Mas que não é fácil estudar anos, se graduar,  planejar seu futuro profissional e acabar no subemprego, talvez para sempre. Só quem vive no exterior sabe o quanto é difícil e quase (eu falei quase) impossível conquistar um lugar ao sol, do jeito que queremos. Que ser o “intruso” imigrante não e muito fácil, que estar longe de quem realmente te ama é muito difícil, é como estar rodeado de pessoas e sozinho ao mesmo tempo.
Enfim, é uma faca de dois gumes, dois caminhos completamente diferentes… Mas por ser uma pessoa realmente intensa, eu amo e odeio ao mesmo tempo os dois lados. Por isso, que para mim, é muito, muito, muito difícil me decidir. A verdade é que não existe A verdade absoluta. Cada um sabe o que guarda dentro do coração, mesmo sabendo das dificuldades que virão em seguida.
Acho que o mais me conforta é o que uma “dazamiga au pair” um dia me falou : Bia, isso não é o fim de tudo, e sé o começo. Pois então, vamos lá, ver no que da. Se não der certo como o planejado, nós voltamos atrás, ou seguimos adiante em busca de outra paixão!

4 comentários:

  1. Anônimo13/8/14

    Olá. Adorei o seu texto!
    Eu já estou "internalizando" que nunca serei feliz por inteiro, pois sempre irá faltar algo. Eu gosto de tudo ao mesmo tempo e odeio fazer escolhas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca mais seremos felizes por inteiro...Sempre havera uma parte do nosso coracao pelo mundo!

      Excluir
  2. Que lindo seu texto!!
    faz a gente pensar em tanta coisa, e é isso, bora de jogar de cabeça em tudo, curtir que quando passar passou e a vida é assim!

    ResponderExcluir