quarta-feira, dezembro 20, 2017

Meu primeiro mês em São Francisco e último nos Estados Unidos

Ficou confusa com esse título? Confuso mesmo. É que muita coisa aconteceu da última vez que postei para cá, e é isso que eu vim contar hoje.

Em apenas um mês eu dei adeus a minha família do Brasil que estava me visitando na costa leste dos EUA, me mudei para a Califórnia, vivi momentos incríveis e momentos de profunda crise existencial, fui praticamente expulsa da casa que estava e finalmente tomei a melhor decisão, a de sair do programa.

Entrarei em detalhes sobre cada uma dessas coisas que eu citei mais à frente. Sobre desistir do programa no meu décimo terceiro mês, foi uma coisa muito recente e eu ainda não consegui digerir e trazer uma mensagem de ensinamento pra vocês da forma que eu gostaria. Mas vai rolar em 2018!

Agora vamos entender o que rolou comigo de 20 de novembro pra cá. Quem leu meu último post talvez lembre que eu estava bem emocional com o fim de um ciclo. Eu terminei meu maravilhoso ano na Pensilvânia, e estava esperançosa sobre São Francisco, mas confesso que não tão empolgada quanto deveria. Algo me dizia que não seria tão mágico quanto a primeira vez. Talvez pelo cansaço da vida de au pair, talvez por já saber exatamente o que me esperava - tanto as coisas boas, quanto as ruins. 

De qualquer forma minha decisão estava feita, passagens compradas, e eu não via motivos para desistir antes de tentar, afinal era São Francisco! Minha cidade queridinha trazia uma promessa de que eu me animaria quando chegasse lá.

Não demorou para eu perceber que não bastava eu estar num lugar que amo, se eu não me sentisse em casa. Minha nova host family começou a apresentar problemas de privacidade, e eu percebi que tínhamos muitas divergências no estilo de vida. Eu não estava me sentindo feliz onde vivia, e sabia que isso não iria mudar. Decidi falar com a host mom com antecedência sobre rematch. A ideia era oficializar assim que terminasse o mês de adaptação, mas ela ficou chateada demais comigo e pediu que eu saísse da casa imediatamente. Assim o fiz.

Claro que eu estou contando bem por cima e não é minha intenção sair como a vítima da história. Num relato superficial como esse não tem como vocês saberem tudo que se passou com ela ou comigo. Eu acredito que ninguém tenha culpa do que aconteceu, e, sinceramente, não tenho raiva dela.

O fato é que eu decidi que estava na hora de voltar para casa. Quando questionada sobre o rematch pela agência, eu não via mais motivos nem disposição para mudar pela quarta vez de host family e ter que me readaptar mais uma vez. 

Agora era só esperar as burocracias de compra de passagem e papeladas de encerramento do programa.

Minha última semana morando nos Estados Unidos foi bem louca. Eu fiquei na casa da LCC, quem eu descobri ser uma pessoa maravilhosa e que me ajudou muito a aceitar que as coisas aconteceram como tinham que acontecer, e eu não tinha que me culpar ou ficar triste por isso. Tanto ela, quanto o marido e o filho, me acolheram muito bem. 

Como todas as meninas que eu tinha conhecido estavam trabalhando de segunda a sexta, eu, que já não era mais uma au pair, explorei SF sozinha - um sentimento bem parecido do que eu tive quando cheguei nos Estados Unidos - mas dessa vez o saudosismo tomava conta de mim e eu sabia que deveria desfrutar daquilo o máximo que eu pudesse. Apesar do mix de sentimentos bons e ruins, eu senti que foi uma maneira bem legal de dar adeus àquele país. 

Resultado de imagem para bye bye gif

Bom, sobre minha estadia no blog, eu só digo que este ainda não é um adeus. Acho que ainda tenho coisas interessantes pra compartilhar, então vou ficar aqui até quando fizer sentido para mim, para a equipe do Blog das 30 Au Pairs e, claro, para vocês leitores. Como sempre, obrigada por ler até o fim, e boas festas!! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário