sábado, junho 23, 2018

Quantos desafios você já venceu como au pair?

Olá! Tudo bem?

Esta semana eu estava refletindo sobre alguns medos que perdi. Parece besteira para algumas pessoas, mas para mim significa superação!

Sabe quando a gente diz: eu nunca vou conseguir fazer tal coisa? A necessidade te obriga a fazer, não tem jeito!


Dirigir um carro automático na estrada, aliás, uma minivan com cinco crianças dentro, para mim parecia não ser possível, mas é! Passou a fase da tremedeira na perna e hoje eu dirijo com toda a segurança e facilidade do mundo.

Outra coisa que parece besteira, mas aprendi aqui na marra foi a fazer baliza. Nos EUA eu sempre procurava as vagas mais fáceis e espaçosas para estacionar. Mas aqui na Holanda eu não tenho outra opção senão manobrar na baliza, já que meus hosts moram em uma rua estreita e não tem garagem própria. Hoje, depois que saio do carro olho para ele e penso: caraca, arrasei na baliza hahah. 

Ainda seguindo a tendência dos veículos, há outros desafios que superei na Holanda: pilotar uma Scooter, antes eu morria de medo porque nunca havia conduzido motos. Eu ficava travada sempre que precisava usar a Scooter, dava até dor no pescoço de tensão, mas agora já estou indo sem medo!

Também ir de bike até Amsterdam! Quem conhece Amsterdam sabe que a cidade é uma loucura, mil pedestres, bikes, motos, carros... mas foi mais um desafio superado.

A verdade é que ficamos mais corajosos quando moramos fora, não há desafio que a gente negue. Nos tornamos mais comunicativos, o idioma diferente deixa de ser uma barreira e nos viramos sozinhos. 

E vocês? Quais são os desafios que superaram? 

Beijos

quinta-feira, junho 21, 2018

Rematch no segundo ano

Oi gente!

Estou aqui para contar um pouco da minha experiência em ter rematch no segundo ano com apenas 5 meses para completar o programa!

A gente nunca espera um rematch faltando pouco tempo de programa, apesar de ter alguns sinais que talvez nos indiquem que as coisas não estão indo bem, tanto da nossa parte, quanto a parte da host family.

Eu tive um primeiro ano muito bom, mas decidi estender com outra família para poder conhecer mais lugares, mas a troca não foi tão boa quanto o esperado.  Eu estava trabalhando bem mais do que 45 horas e a família me tratava somente como empregada, o que para mim foi bem diferente da minha família no primeiro ano.

Depois de um tempo eu comecei a tratá-los da forma em que era tratada e daí os problemas se agravaram. Eu vou explicar mais sobre o que nos levou a esse rematch em outro post, mas nesse vou contar como foi durante o processo online!

Bom, depois de ter saído da casa da host family eu fui ficar com a LCC, e ela não estava sendo muito “helpful” comigo. Eu entrei em rematch no dia 08 de maio, um pouco antes do summer break, então as pessoas diziam que eu ia ter várias famílias, pois os pais precisam de mais ajuda durante o verão. Não aconteceu!

Eu tive 4 famílias no meu perfil! Apenas! Tinha uma outra au pair na casa da LCC e ela também não teve mais de 2 famílias no perfil. Estava extremamente fraco.

O fato de eu ter apenas 5 meses faltando para acabar meu programa me atrapalhou também. Duas das famílias que eu falei queriam que eu ficasse mais. 

O tempo foi passando, a gente estava sem ganhar dinheiro, a agência mandando mensagem dizendo que temos que comprar nossa passagem e mandar o comprovante para eles... É tudo muito estressante e angustiante! 

Com muito sacrifício eu tive meu match com uma família no dia 18 de maio, o último dia literalmente! Tive meu match no

Fundo bonito da aguarela com bagagem Vetor grátis

Na minha opinião as piores coisas sobre o rematch são: a falta de ajuda que algumas LCCs dão (sendo que são elas que deveriam estar ali para o nosso suporte), a escassez de famílias que te faz não poder realmente escolher algo que você considere bom para si mesmo e a insegurança de não saber o que vai acontecer a seguir.

Não desejo a sensação de estar em rematch para ninguém, porém menos ainda conviver numa família ruim e não tentar ir em busca de uma experiência boa que esse programa pode proporcionar! 


Espero que vocês tenham sorte! 
Beijo,
Paula

terça-feira, junho 19, 2018

Um intercâmbio de infinitas possibilidades...


Oi pessoal, como vocês estão? Espero que todos bem... 

Bem-vindos a mais um dia 19, e hoje venho contar para vocês o que mudou em um mês de intercâmbio como Au Pair aqui na Holanda. 

Bom, T-U-D-O mudou. E quando eu coloco uma ênfase no ''tudo'' eu quero dizer que as minhas expectativas e sonhos para esse ano ficaram mais claras... mas será que isso acontece mesmo com um mês de intercâmbio? Sim. Não. Os dias aqui são mais intensos, e as semanas mais longas... e quando você acha que a vida vai seguir o seu script, você se engana. Risos! 




Se vocês me permitem um conselho... venham com o coração aberto para o que o ano de Au Pair tem a proporcionar para vocês. 

Eu como virginiana, amo ter um schedule... tenho a necessidade de saber todos os meus passos com semanas de antecedência, MESMO, sabendo que é impossível querer ter o controle da minha vida e poder dirigi-la da maneira que eu quero. 

E para ser sincera com vocês, eu ainda tenho medo de deixar a vida seguir o seu próprio rumo... viver um dia de cada vez não é muito a minha praia, porém, em um mês  de intercâmbio é o que eu tenho feito. E mais uma vez a vida tem me surpreendido com suas inifinitas possibilidades. 

Em um mês de intercâmbio aprendi a ser mais tolerante, mais paciente comigo mesma e principalmente com as pessoas. Aprendi a comer pão com granulado no café da manhã. Aprendi e entendi que o seu passado não define quem você quer ser hoje, no futuro. Aprendi a dar mais valor à família. Aprendi/estou aprendendo a confiar nas pessoas e permitir que elas façam parte da minha vida. Estou abrindo o meu coração... e eu não poderia estar mais orgulhosa de mim mesma. Estou aprendendo a controlar o nosso tão sagrado pocket money e investindo em viagens incríveis

Em um mês eu descobri que eu encontrei o meu lugar no mundo. Eu não estava procurando um lugar para chamar de ''lar'', mas, como eu disse para vocês, a vida nem sempre segue da maneira que queremos, porém, ela pode surpreender você!!!!

É um momento de autoconhecimento e aprendizado. Na hora que está acontecendo não entendemos todas as mudanças, mas, tenha em mente que seu ano de Au Pair está cheio de infinitas possibilidades, e eu espero que esse infinito seja tão doce e leve como está sendo pra mim. 

Vejo vocês no próximo dia 19, com a pré-trip FÉRIAS DE VERÃO com a host-family. Sonho ou pesadelo


Beijossss, Gabi 

segunda-feira, junho 18, 2018

É fácil ter amigas gringas?

Olá, pessoal!
Como vão?

Todos nós temos expectativas e sonhamos acordados enquanto estamos no nosso processo de intercâmbio, certo? E comigo não foi diferente!

Eu achava que seria uma pessoa com uma vida social bacana, que conheceria várias pessoas, teria várias amigas au pairs e que passaria meu tempo off fora de casa com minhas novas amigas. Só que não.

Na cidade em que morei, só havia eu de au pair brasileira. Todas as outras eram da Europa e já se conheciam antes. Achei difícil me enturmar. Elas tinham os costumes muito diferentes dos meus e muitas vezes julgavam as coisas que eu fazia ou falava. 



Um dia fui tomar café com uma au pair da Islândia. Havia sido uma semana estressante, eu não dormia direito, estava trabalhando sem schedule e só precisava relaxar e conversar com alguém. Comentei com ela sobre estar cansada, mas que não podia reclamar, pois a host family já havia me pedido para fazer horários a mais e eu concordei.

Voltei para casa e naquele mesmo dia minha hosta veio falar comigo e perguntou o por quê eu não falei que estava sobrecarregada. Expliquei que não estava numa semana bacana. Como ela ficou sabendo? A au pair da Islândia contou para host dela que em seguida foi falar com a minha.

Me senti péssima, pois havia sido apenas um desabafo para alguém que sabe como é estar na mesma situação.

Depois desse dia não consegui confiar em mais nenhuma au pair para contar as coisas e acabei me fechando mais.

Posso dizer que minha melhor amiga durante o ano de au pair foi a Bia, que embarcou comigo no Brasil, mudou para um estado longe, mas que se tornou muito especial em pouquíssimo tempo. Até hoje sempre conversamos e compartilhamos tudo!

Não estou dizendo que todas au pairs da Europa julgam e fazem fofoca, apenas as que eu tive contato. Mas... brasileiros são brasileiros ♡

Espero que vocês façam e tenham ótimas amizades durante seu ano, pois essas amizades duram para sempre!

Beijos 

domingo, junho 17, 2018

O que você espera do seu ano como au pair?



Oi gente, tudo bem com vocês?

Mais um dia 17 e eu tô aqui! E nesse post, como boa psicóloga que sou (haha!) gostaria de sugerir algumas reflexões.


Antes de tudo quero dizer que esses quatro meses de EUA passaram muito, muito rápido! E eu já tive a oportunidade (e sorte) de conhecer tantos lugares!! E apesar de algumas das viagens não terem sido planejadas com antecedência, eu percebi que planejamento é tudo. E pra mim essa é a palavra-chave para que seu ano seja bom, aliás, não só seu ano, mas a sua vida. Eu que sempre sofri pra ser uma pessoa disciplinada, tenho aprendido na marra que isso faz toda a diferença, afinal se a gente quer algo então a gente precisa correr atrás não é mesmo?!

Primeira reflexão: o que você espera do seu ano como au pair? Eu sei que respondemos isso no application mas, convenhamos, a gente não pode se dar ao luxo de dizer, por exemplo:  “Ah eu quero ir pros Estados Unidos porque eu quero viajar bastante e conhecer pessoas e o programa de Au Pair é o meio mais barato de se conseguir isso” (risos), ou "porque eu me formei e não sei o que fazer da vida" e etc. (Claro que você precisa gostar de criança, ou ao menos ser paciente. Eu confesso que mais gosto do que tenho paciência hahaha). Então o meu questionamento é exatamente esse, o que você quer, realmente, ao vir pra cá, quais são as suas expectativas e o que você pode fazer pra conseguir o que deseja. Seguindo esse raciocínio proponho outra reflexão: se você quer viajar, ou estudar, ou juntar grana pra mandar pro Brasil, ou fugir de um relacionamento frustrado ou whatever, em primeiro lugar você precisa trabalhar num lugar que você se sinta confortável e respeitada. Ou seja, escolher a host Family é um fator MUITO essencial pra que seu ano dê certo (claro que tem muita coisa envolvida nisso), então fazer a sua lista de prioridades pode ser uma boa.


Segue a minha lista de "exigências" na hora de escolher a família:
1-      Duas kids no máximo
2-      Final de semana off
3-      Carro só pra mim
4-     Schedule de boas (sim, eu me propus a vir pra cá mas queria uma host Family com schedule mais tranquilo pra ter tempo pra fazer as minhas coisas).

E depois de quase três meses online, eu achei a família que tinha todos os meus requisitos (*existe host family boa SIM*) , meu ano está sendo incrível, ontem fui conhecer mais um estado americano e atualmente estou planejando as próximas viagens (porque sim o meu plano aqui era, dentre outros, viajar e aproveitar bastante). Na verdade eu gostaria de estudar também, mas não consegui fazer muita coisa relacionado a minha área de formação, por enquanto. Esse post pode ser um pouco repetitivo mas é que vejo muitas meninas reclamando que deveriam ter pensado melhor na hora de escolher a família, ou que escolheram por motivos aleatórios (por querer morar em um estado x, exemplo, ou por impaciência/ medo de não achar família...). Então é isso, sempre tenha em mente o que você quer e se agarre a isso, pois é o que te sustentará nos dias difíceis aqui! E sim, o processo é desgastante e o ano como au pair pode ser cansativo e estressante mas vale muito a pena. E quando você estiver aqui, alcançando seus objetivos você se sentirá tão plena quanto eu nessa foto! hahaha



Foto de uma viagem incrível - Washington D.C.


Um beijo e até mês que vem!

Val